icons.title signature.placeholder Bernardo Cruz
22/02/2015
08:07

Destino. Essa é a palavra que melhor explica como se iniciou o interesse de Léo Moura pelo projeto de atuar no Fort Lauderdale Strikers, dos Estados Unidos. Afinal de contas, o encontro entre o gestor do clube americano, André Chaves, e o jogador aconteceu por acaso, há três semanas, em um shopping no Rio de Janeiro.

No entanto, o desejo em levar o jogador do Flamengo para o clube da Flórida não surgiu por acaso.

– Assumimos o clube em novembro do ano passado, após o fim da competição (o clube disputa o campeonato da NASL). E o estilo de futebol é muito rápido, pouca técnica. E precisamos de um jogador técnico. Queria trazer um camisa 10 emblemático, um líder, com postura. Vários nomes surgiram e o que mais atraiu foi o do Léo Moura – afirmou André Chaves, que deu detalhes de como foi o contato:

– Conheci o Léo Moura através de um amigo em comum. Estava em um shopping do Rio e quando avistei ele e a família fui dar um alô. Aproveitei para apresentar o projeto do Fort Lauderdale Strikers, que seria de três anos e para ele levar a família dele, e ainda deixei claro que queria ele como meu maestro. Ele ficou de pensar e pouco depois me procurou falando que iria fechar, mas que precisaria ver com o Flamengo antes.

Com o vazamento das informações, a situação ficou indefinida no sentido de quando Léo Moura sai do Flamengo. A oficialização de fato da ida de jogador para o Fort Lauderdale Strikers depende agora da liberação por parte do Rubro-Negro, com que o lateral tem vínculo até maio.

Por conta deste cenário, André Chaves mantém a cautela quanto a previsão de chegada do jogador e garante que deixou o futuro reforço à vontade.

– Neste momento não posso dizer quando será a chegada do Léo Moura. O empresário dele estava fora do Brasil e vai voltar para sentar com a diretoria do Flamengo e ver quando isso vai acontecer – revelou.

No entanto, se depender da vontade do Fort Lauderdale Strikers, Léo Moura estará com a camisa 10 na estreia do campeonato da NASL, dia 4 de abril, contra o New York Cosmos.
– Se depender de mim, ele estará na estreia do time. É o nosso rival e será um jogo histórico para a retomada na NASL – disse André.