icons.title signature.placeholder Luis Fernando Coutinho
27/06/2014
15:56

A rápida e surpreendente derrota por nocaute de Cezar Mutante para CB Dollaway, em março, não há de interromper o futuro do lutador dentro da maior organização de MMA do mundo. Pelo menos é isso o que ele garante. O paulista encara Andrew Craig no card principal do evento que acontece em San Antonio, neste sábado, e busca reabilitação depois do primeiro revés no UFC.

Em entrevista ao LANCE!Net, Mutante avaliou o aprendizado passado pelo resultado negativo e garantiu que o que aconteceu será usado a seu favor para que os mesmos erros não sejam cometidos no futuro.

- Faz parte da evolução de um atleta tentar aprender mais na derrota do que na vitória. Quem não tem como filosofia isso, está no caminho errado. Pegamos alguns detalhes para mudar algumas coisas. Estou bem renovado, fiz um bom treinamento na parte tática e física. Estou feliz pela oportunidade e tem tudo para ser uma grande noite. Vou mostrar meu trabalho. Sou um Mutante renovado e quero ter o melhor desempenho o possível. Quero dar uma resposta ao público. Um novo Cezar Mutante vai surgir. A vitória eu não garanto, mas o meu melhor eu vou dar - declarou o vencedor do TUF Brasil 2, em conversa por telefone.

Um dos potenciais ídolos brasileiros dentro da franquia, Cezar Ferreira enxerga a primeira derrota no evento mais como um tropeço rumo ao topo do que como algo que o fará recomeçar sua trajetória na franquia. 

- Acho que foi um tropeço mesmo. Naquela luta, não estava bem psicologicamente, tive um camp ruim, fiquei doente, não estava bem concentrado. Meu corpo estava lá e minha cabeça em outro lugar. Mas não tem desculpa. Ainda vou longe. O Dollaway soube aproveitar a oportunidade. Costumo não lamentar muito o que aconteceu. O que vou fazer amanhã, que está no meu controle, eu penso. O que não posso controlar deixo de lado. Quero uma revanche contra o Dollaway. Tenho espírito de competição e quero dar o troco - explicou.

Confira um bate-papo com Cezar Mutante
Como você analisa seu adversário?
Ele já fez boas lutas no UFC, mas é difícil esperar alguma coisa dos outros. Não espero nada dos meus oponentes. Isso não faz parte da minha tática. Vi o que ele faz de bom e o estudei. Mas quando tiver uma chance vou para acabar com a luta.

Mutante fará sua quarta luta no Ultimate (FOTO: Divulgação/UFC)

Como é treinar numa equipe como a Blackzilians?
As maiores dificuldades passamos dentro da academia. Temos os melhores lutadores na Blackzilians e foi uma preparação muito intensa, onde meu estado físico e mental foi provado varias vezes. Isso me faz pronto para subir no octógono pensando: "venha o que vier".

Você é muito próximo do Vitor Belfort... Qual a sua opinião sobre toda essa confusão sobre antidoping surpresa?
A polêmica toda já foi resolvida. O pessoal teima em falar disso. O Vitor foi ferrado. Foi construída uma lei. Agora, acabou e não tem discussão. Ele já adaptou o corpo dele e é um dos caras que mais treinam na academia. As críticas que ele sofre já tem tempo. Eu sofro com isso, assim como tantos outros lutadores. Faz parte da carreira de um atleta.

Você, mesmo não sendo usuário, concordou com o banimento do TRT?
A minha opinião é que era uma questão médica. Não era para deixar ninguém com vantagem. Inúmeros atletas que conheço fazem. Era autorizado, tinha fiscalização e isso só ajudava na carreira. Os hormônios vão caindo e você não consegue mais competir em igualdade. É contra a inércia e os princípios médicos.