icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
08/03/2014
11:00

Os defensores da Copa do Mundo como algo favorável ao Brasil usam como argumento os legados que a organização de um evento de grande porte pode deixar para a população do País. Já Muricy Ramalho não tem tanta confiança de que os brasileiros serão beneficiados com as obras prometidas nos setores de mobilidade urbana e aeroportos.

- Sempre se promete, em uma grande Copa, a palavra legado. Essa palavra parece que soluciona tudo. Você gasta bilhões bilhões, fala-se em legado. E a gente viu cada legado ruim. Com o dinheiro que foi gasto, tinha que sair coisa boa. Mas se olhar tudo que foi prometido, ficaram muitas coisas no caminho - reclamou o técnico do São Paulo.

Muricy reconhece que as reformas nos estádios e as novas arenas construídas trarão benefícios ao futebol brasileiros, mas lembra que as melhoras não deveriam se restringir ao esporte. o comandante tricolor revelou ainda que as reclamações são compartilhadas pelo alemão Jurgen Klinsmann, técnco da seleção dos Estados Unidos com quem disputou jogos-treino durante a pré-temporada. Os norte-americanos ficarão instalados no CT da Barra Funda durante a Copa do Mundo.

- A gente está pronto nos estádios, tudo muito bonito, só que o que foi falado que iria melhorar muito, que era no transporte, nos aeroportos, a gente não vê. Isso não dá para passar por cima.  A gente espera nossa chance de ganhar Mundial, que seria bom pra todos nós, valorizaria nosso futebol, teria mais investimento. O Klinsmann achou ótimo aqui, mas fez críticas duras aos hóteis, ao processo de entrar e sair dos estádios - alertou.