icons.title signature.placeholder Benjamin Back
icons.title signature.placeholder Benjamin Back
04/07/2013
19:25

Demitido pelo Santos e atualmente sem clube, Muricy Ramalho deu a entender que seria fácil fechar com o São Paulo caso o clube estivesse sem técnico. O treinador tricampeão brasileiro no Morumbi faz a ressalva de que não entraria em negociação enquanto o atual técnico estiver empregado, mas diz que chegaria a um acordo com o presidente Juvenal Juvêncio rapidamente:

- É dois minutos (sic) - disse Muricy em entrevista ao colunista do LANCE! Benjamin Back, na gravação do programa Papo com Benja, lembrando que todas as negociações com o presidente são-paulino foram tranquilas.

Sobre a volta, Muricy afirma que não conversaria com o clube enquanto outro treinador estiver empregado, e fala que respeita a atual posição de Ney Franco. O técnico atual é alvo de protestos da torcida e da diretoria, que pressiona o presidente Juvenal Juvêncio pela demissão.

- É difícil falar assim, tem um treinador lá, você me conhece, é difícil opinar sobre clubes que estão com problemas. Você vai me desculpar, mas é difícil. Não dá para falar mesmo.

Muricy Ramalho diz que já esteve com Juvenal Juvêncio após a demissão do Santos, mas afirma que não foi questionado sobre a possibilidade de voltar. Muricy não é unanimidade entre a diretoria tricolor, mas encontra aceitação muito maior do que Ney Franco, atualmente.

Muricy diz que não encontraria problemas para fechar com o São Paulo (Foto: Reprodução/L!TV)

- Eu já estive com ele depois. Sim, sim. Fui jantar com ele já. Eu tenho um amigo que de vez em quando ele faz uns jantares e quando estava no São Paulo eu tinha prometido a ele que o levaria a esse jantar. Mas ele teve um problema e não foi. Aí eu levei ele lá, conversamos de muitas coisas, estava a minha esposa, a esposa dele. Conversamos de tudo, mas nada de futebol, nada de São Paulo, porque é muito chato começar a falar da história de futebol e depois no clube.

MAIS SÃO PAULO:
> Perto da aposentadoria, Rogério Ceni alterna altos e baixos no São Paulo
> São Paulo vende zagueiro Paulo Miranda para o Olympique de Marseille

- Não teve, você me conhece, eu não tenho problema nenhum de falar se ele tivesse me convidado, porque eu fui convidados por clubes muito grandes, mas ele nunca chegou ao ponto de falar nada. "Você quer voltar"? Não, ele nunca falou.


Demitido pelo Santos e atualmente sem clube, Muricy Ramalho deu a entender que seria fácil fechar com o São Paulo caso o clube estivesse sem técnico. O treinador tricampeão brasileiro no Morumbi faz a ressalva de que não entraria em negociação enquanto o atual técnico estiver empregado, mas diz que chegaria a um acordo com o presidente Juvenal Juvêncio rapidamente:

- É dois minutos (sic) - disse Muricy em entrevista ao colunista do LANCE! Benjamin Back, na gravação do programa Papo com Benja, lembrando que todas as negociações com o presidente são-paulino foram tranquilas.

Sobre a volta, Muricy afirma que não conversaria com o clube enquanto outro treinador estiver empregado, e fala que respeita a atual posição de Ney Franco. O técnico atual é alvo de protestos da torcida e da diretoria, que pressiona o presidente Juvenal Juvêncio pela demissão.

- É difícil falar assim, tem um treinador lá, você me conhece, é difícil opinar sobre clubes que estão com problemas. Você vai me desculpar, mas é difícil. Não dá para falar mesmo.

Muricy Ramalho diz que já esteve com Juvenal Juvêncio após a demissão do Santos, mas afirma que não foi questionado sobre a possibilidade de voltar. Muricy não é unanimidade entre a diretoria tricolor, mas encontra aceitação muito maior do que Ney Franco, atualmente.

Muricy diz que não encontraria problemas para fechar com o São Paulo (Foto: Reprodução/L!TV)

- Eu já estive com ele depois. Sim, sim. Fui jantar com ele já. Eu tenho um amigo que de vez em quando ele faz uns jantares e quando estava no São Paulo eu tinha prometido a ele que o levaria a esse jantar. Mas ele teve um problema e não foi. Aí eu levei ele lá, conversamos de muitas coisas, estava a minha esposa, a esposa dele. Conversamos de tudo, mas nada de futebol, nada de São Paulo, porque é muito chato começar a falar da história de futebol e depois no clube.

MAIS SÃO PAULO:
> Perto da aposentadoria, Rogério Ceni alterna altos e baixos no São Paulo
> São Paulo vende zagueiro Paulo Miranda para o Olympique de Marseille

- Não teve, você me conhece, eu não tenho problema nenhum de falar se ele tivesse me convidado, porque eu fui convidados por clubes muito grandes, mas ele nunca chegou ao ponto de falar nada. "Você quer voltar"? Não, ele nunca falou.