icons.title signature.placeholder Bruno Grossi e Marcio Porto
15/07/2014
08:00

Muricy Ramalho mudou. O técnico do São Paulo continua ranzinza e com os bordões de sempre, mas não é mais apenas o treinador chamado às pressas para salvar o time do rebaixamento. No primeiro semestre, a maratona de jogos causada pela Copa do Mundo diminuiu a realização de treinos táticos. O mesmo Mundial, porém, deu a Muricy o tempo necessário para ajustar o Tricolor para o segundo semestre de 2014.

Desde o dia 15 de junho, quando a delegação são-paulina iniciou período de treinos nos Estados Unidos, o técnico passou a implantar novas estratégias. A principal delas é a marcação pressão.

– Ele está montando um esquema com base no que ele enxerga como ideal – analisou Ganso.

Muricy Ramalho cobrou intensidade na marcação da saída de bola dos adversários em treinos e jogos-treino. A postura tem mobilizado os jogadores do setor ofensivo, mas fez com que Alexandre Pato perdesse espaço para o esforçado Ademilson.

- Quando não está na equipe você precisa treinar mais e sei que o Pato vai fazer isso - projetou o camisa 10.

O garoto, assim como Osvaldo na ponta esquerda, consegue ajudar Douglas a marcar pela lateral e dá sustentação para que Ganso e Alan Kardec (ou Kaká e Luis Fabiano em futuro próximo) possam se concentrar na pressão sobre os zagueiros.

Outra novidade da ‘versão 2.0’ de Muricy Ramalho é a criação de jogadas ensaiadas. Em faltas frontais e laterais e escanteios, o técnico paralisou o treino de ontem diversas vezes para testar alternativas e exigir a perfeição dos cobradores.

Da Copa do Mundo, principalmente da Alemanha, ele tirou a certeza de que esses elementos podem fazer do São Paulo heptacampeão.