icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
19/11/2013
19:21

O jogo do São Paulo desta quarta-feira, contra a Ponte Preta, será histórico. Rogério Ceni vai igualar a marca de Pelé e se tornar o jogador com mais partidas por um mesmo clube. O goleiro entrará em campo pela 1.116ª com a camisa do Tricolor, a mesma quantidade que o Rei do Futebol tem pelo Santos. E, em muitos desses jogos, Muricy Ramalho estava ao lado do camisa 01.

O treinador estava no Tricolor no início da carreira de Rogério, depois dirigiu durante o tricampeonato brasileiro e retornou agora:

- Eu estive em alguns momentos do recorde dele. Tenho algumas camisas que ele me deu. Eu me lembro bem daquele jogo contra o Cruzeiro, nem sei qual recorde foi, porque já foram tantos (2006, quando Ceni se tornou o maior goleiro-artilheiro do mundo). Ele me deu a camisa nesse dia, e tenho em casa até hoje. Participei do primeiro gol dele de falta (1997), porque fui eu quem autorizei. E agora é outro bom momento dele e é muito legal estar participando da carreira de um cara que é brilhante, que é exemplo. Ele mostrou que o cara pode escolher o que quer ser. Se quer ser mais um ou se quer ser diferente. Ele quis ser diferente. Às vezes, eu tento explicar isso para alguns jogadores, mas é difícil de entender.

Amigo pessoal do capitão, Muricy diz que o goleiro está em dúvida sobre o que fazer na próxima temporada. Ceni tem 40 anos e contrato até dezembro.

- Acho que ele está na dúvida também. É claro que um tempo atrás ele não teria nenhuma dúvida, mas ele gosta muito de futebol. Ele vai acordar e aí? O carro dele vem sozinho para o CT. Cria dúvida e eu acho que ele está em dúvida - analisou o treinador.

O departamento de marketing do São Paulo não vai realizar nenhuma grande ação pelo recorde de Rogério Ceni nesta partida. Por se tratar de uma semifinal de Copa Sul-Americana, as festividades ficarão para domingo, contra o Botafogo, também no Morumbi.