icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
20/02/2015
12:55

Na última quinta-feira, o LANCE!Net publicou matéria registrando a insatisfação de alguns jogadores do São Paulo com a mudança inesperada promovida por Muricy Ramalho no clássico com o Corinthians. Em entrevista coletiva nesta sexta-feira, o técnico admitiu que testou a formação somente nos dias que antecederam o jogo válido pela Libertadores e lamentou que não tenha tido sucesso, mas acredita que era algo "fácil" de ter acontecido.

- A gente sempre pensa o melhor para uma formação, só que é treinado. Tem que ser treinado. O esquema era fácil de ser pegado, porque libera os atacantes, queria que tivessem mais profundidade para não deixar o Luis (Fabiano) sozinho. Era um esquema fácil de se fazer, mas não deu certo. O que preocupou foi a pouca finalização. Um time desse tamanho não pode não fazer o goleiro adversário não trabalhar - afirmou.

Além do esquema com Michel Bastos na esquerda, Maicon no meio de campo e Alan Kardec ao lado de Fabuloso na frente, Muricy também treinou para o Majestoso com formação com três zagueiros. O 3-5-2 havia sido testado com o time reserva na goleada por 5 a 0 sobre o Bragantino no último sábado, mas acabou descartado para o clássico pelo fato do Corinthians ter apenas Danilo como atacante.

- A gente usa muito pouco. A não ser quando se joga com time com dois centroavantes, como o Emelec (EQU). A maioria joga com dois abertos e um enfiado, e aí não encaixa. Na Libertadores, todos jogam com linha de quatro e um atacante só, como o Corinthians fez... E o Danilo nem ficou fixo. Usamos contra o Bragantino, para sentir como estão, mas para dar ritmo a todos os zagueiros - justificou.


Essa filosofia de jogo usada por Tite no Corinthians ainda foi elogiada por Muricy. O treinador são-paulino crê que o Timão tem apresentado bons resultados neste início de temporada por estar atuando em um esquema semelhante há, pelo menos, três anos e com boa parte dos jogadores repetidos.

- O Corinthians joga assim faz tempo, jogou assim contra a gente, no Santos mesmo (em 2012, semifinal da Libertadores), atrás da bola. Já tem as linhas bem definidas, padrão que se usa há algum tempo. Veio o Mano Menezes e não mudou muito. O Tite já joga assim faz tempo, com linha de quatro, mais três e um enfiado. Isso facilita, porque os jogadores estão lá faz tempo - opinou.