icons.title signature.placeholder Eduardo Moura
icons.title signature.placeholder Eduardo Moura
05/07/2013
07:30

- Dinheiro não é tudo.

A frase do centroavante André Lima ao LANCE!Net, em entrevista exclusiva, praticamente resume o que vive o jogador do Beijing Guoan. Contratado em fevereiro por três temporadas, o jogador e sua família não se adaptaram a uma cultura completamente diferente e estão de malas prontas para retornar ao Brasil cinco meses depois. O centroavante, que tinha que ir de motocicleta para os treinamentos já que estrangeiros não podem ter carros, espera que o empresário Eduardo Uram defina os detalhes de sua saída e posterior retorno ao Brasil. Sem descartar nenhuma possibilidade, quer disputar o Brasileirão. O Grêmio, claro, vem sempre à tona. Mas André Lima, apesar de admitir a prioridade aos gaúchos, não quis se focar no clube tricolor. Quer mesmo é deixar a China.

Nos primeiros quatro jogos, André fez dois gols pelo clube. Poderia ter ganho moral com o treinador. Mas, ao contrário do corriqueiro, foi deixado de lado. O próprio comandante deixou claro que não queria usar um atleta fixo na área. Além disso, André relata que estava jogando longe da área, quase como meia. No total, tem 14 jogos pelo clube chinês.

- Minha decisão está tomada, até porque tive problemas quando cheguei. Empresários tentando atrapalhar a negociação. Fiquei uma semana parado até treinar com o pessoal. E o treinador me botou pra jogar 4 vezes, fiz dois gols e depois ele disse que não trabalharia com homem de área. E também questões particulares, não conseguimos nos adaptar em um mundo muito diferente do que eu e minha família estamos acostumados. Eu tinha de ir treinar de moto, algo inadmissível para um atleta no Brasil – contou o jogador ao LANCE!Net.

O futuro ainda não está delineado para André. O jogador, que teve passagem destacada pelo Grêmio, principalmente sob o comando de Renato Gaúcho, atualmente o treinador, não fecha as portas para nenhum clube no Brasil. Admite que o Tricolor tem uma certa preferência, pelo carinho que criou com a torcida gremista. Mas não houve nenhum tipo de contato. Nem de outro clube do país. A ideia é resolver tudo até "o dia 19 de julho", já que a janela de transferências internacionais se encerra no dia 20.

- Por tudo o que eu conquistei, a relação com a torcida, claro que se me ligassem na hora eu acertaria. Mas é meu empresário que tem que resolver isso. Prioridade, todos têm. Tenho carinho especial pelo Grêmio como por outros clubes, mas não descarto nenhum clube. Quando eu saí do Brasil e vim para cá, tive sondagens. Mas é esperar as propostas para sentar e resolver. Tem clubes que precisam de jogadores com as minhas características – comentou o centroavante.

A relação com Renato Gaúcho segue boa. O comandante inicia seus trabalhos em sua segunda passagem no Grêmio e fará sua estreia no sábado, contra o Atlético-PR, em Curitiba. Foi a melhor fase de André no clube, ao formar o ataque com Jonas, atualmente no Valencia e pretendido pelo São Paulo.

- Tivemos aquela arrancada maravilhosa em 2010. Admiro e respeito muito ele. Uma coisa que o presidente Koff falou para mim quando saí é que as portas estariam sempre abertas. Mas não quero forçar nada – finalizou André Lima.

André Lima (fundo) teve boas atuações sob o comando de Renato Gaúcho (Foto: Lucas Uebel/Grêmio)


- Dinheiro não é tudo.

A frase do centroavante André Lima ao LANCE!Net, em entrevista exclusiva, praticamente resume o que vive o jogador do Beijing Guoan. Contratado em fevereiro por três temporadas, o jogador e sua família não se adaptaram a uma cultura completamente diferente e estão de malas prontas para retornar ao Brasil cinco meses depois. O centroavante, que tinha que ir de motocicleta para os treinamentos já que estrangeiros não podem ter carros, espera que o empresário Eduardo Uram defina os detalhes de sua saída e posterior retorno ao Brasil. Sem descartar nenhuma possibilidade, quer disputar o Brasileirão. O Grêmio, claro, vem sempre à tona. Mas André Lima, apesar de admitir a prioridade aos gaúchos, não quis se focar no clube tricolor. Quer mesmo é deixar a China.

Nos primeiros quatro jogos, André fez dois gols pelo clube. Poderia ter ganho moral com o treinador. Mas, ao contrário do corriqueiro, foi deixado de lado. O próprio comandante deixou claro que não queria usar um atleta fixo na área. Além disso, André relata que estava jogando longe da área, quase como meia. No total, tem 14 jogos pelo clube chinês.

- Minha decisão está tomada, até porque tive problemas quando cheguei. Empresários tentando atrapalhar a negociação. Fiquei uma semana parado até treinar com o pessoal. E o treinador me botou pra jogar 4 vezes, fiz dois gols e depois ele disse que não trabalharia com homem de área. E também questões particulares, não conseguimos nos adaptar em um mundo muito diferente do que eu e minha família estamos acostumados. Eu tinha de ir treinar de moto, algo inadmissível para um atleta no Brasil – contou o jogador ao LANCE!Net.

O futuro ainda não está delineado para André. O jogador, que teve passagem destacada pelo Grêmio, principalmente sob o comando de Renato Gaúcho, atualmente o treinador, não fecha as portas para nenhum clube no Brasil. Admite que o Tricolor tem uma certa preferência, pelo carinho que criou com a torcida gremista. Mas não houve nenhum tipo de contato. Nem de outro clube do país. A ideia é resolver tudo até "o dia 19 de julho", já que a janela de transferências internacionais se encerra no dia 20.

- Por tudo o que eu conquistei, a relação com a torcida, claro que se me ligassem na hora eu acertaria. Mas é meu empresário que tem que resolver isso. Prioridade, todos têm. Tenho carinho especial pelo Grêmio como por outros clubes, mas não descarto nenhum clube. Quando eu saí do Brasil e vim para cá, tive sondagens. Mas é esperar as propostas para sentar e resolver. Tem clubes que precisam de jogadores com as minhas características – comentou o centroavante.

A relação com Renato Gaúcho segue boa. O comandante inicia seus trabalhos em sua segunda passagem no Grêmio e fará sua estreia no sábado, contra o Atlético-PR, em Curitiba. Foi a melhor fase de André no clube, ao formar o ataque com Jonas, atualmente no Valencia e pretendido pelo São Paulo.

- Tivemos aquela arrancada maravilhosa em 2010. Admiro e respeito muito ele. Uma coisa que o presidente Koff falou para mim quando saí é que as portas estariam sempre abertas. Mas não quero forçar nada – finalizou André Lima.

André Lima (fundo) teve boas atuações sob o comando de Renato Gaúcho (Foto: Lucas Uebel/Grêmio)