icons.title signature.placeholder Bruno Grossi
25/06/2014
16:00

A morte do ex-jogador Fernandão em acidente de helicóptero no início deste mês ainda abala Rogério Ceni. Os dois foram companheiros no São Paulo durante pouco mais de um ano entre 2010 e 2011 e criaram forte vínculo. O ex-atacante, assim como o goleiro no Morumbi, alcançou o posto de maior ídolo da história do Internacional.

- Para mim foi muito triste e muito surpreendente. Não caiu a ficha quando me falaram, não consegui ligar a situação à pessoa. Para mim não era possível. Esses dias ele estreou como comentarista, ele entendia muito de futebol. É até difícil não falar no presente - disse o emocionado capitão tricolor, em Orlando (EUA).

Fernandão havia sido contratado pelo canal fechado SporTV para ser comentarista durante a Copa do Mundo, mas um acidente de helicóptero em Goiás interrompeu a trajetória vitoriosa do ídolo colorado. Antes de chegar ao São Paulo e se tornar amigo de Ceni, porém, Fernandão foi algoz do goleiro na final da Copa Libertadores da América de 2006 ao marcar gol de oportunismo depois de falha do arqueiro tricolor. O lance infeliz não mancha a relação de dois dois maiores símbolos do futebol brasileiro nos últimos anos.

- Era um cara sóbrio, um p... parceiro de concentração. É difícil entender como isso aconteceu, ele tinha 36 anos, era muito jovem (suspiro)... Faz parte da vida. Tem de ser feliz o máximo possível dentro do tempo que Deus lhe permite estar por aqui - receitou.