icons.title signature.placeholder Paulo Victor Reis
15/11/2014
10:05

O caso Elkeson foi apenas um dos vários problemas que o Botafogo enfrentou neste ano. No próximo dia 25, os 1.795 sócios-proprietários aptos a votar vão eleger o novo presidente do clube. Importante figura política do Glorioso o ex-presidente Carlos Augusto Montenegro contou ao LANCE!Net em detalhes numéricos o primeiro desafio do próximo mandatário alvinegro.

- O dia 28 de novembro é a data limite para o pagamento da quarta parcela da entrada no Refis (da Crise). São R$ 3,5 milhões para levantar poucos dias depois da eleição - contou Montenegro, referindo-se ao parcelamento de débitos do Botafogo com a União.

O Glorioso já pagou três parcelas de cinco, referentes à entrada do clube no Refis da Crise. Se conseguir honrar este compromisso, o clube terá de pagar 'apenas' R$ 600 mil por mês no próximo ano no mesmo programa de parcelamento de dívidas.

Montenegro contou também que foi procurado para ajudar no pagamento da dívida do caso Elkeson, mas se recusou.

- Pediram e falei que não. Já ajudei muito o Botafogo. Agora acho que o clube tem que aprender a andar sozinho - disse o ex-mandatário, que sugeriu uma vaquinha das quatro chapas que disputarão a eleição para quitar o restante da dívida do caso Elkeson.

- Já que tem tanta gente querendo ser presidente do Botafogo, sugiro que se juntem, façam uma 'vaquinha' e paguem esta dívida. É o primeiro teste para a nova administração - disse o ex-presidente, que admitiu já ter participado de 'vaquinhas' para ajudar o clube.