icons.title signature.placeholder TÊNIS NEWS
18/02/2015
18:11

Atual 66 do mundo, Juan Monaco é hoje apenas o número 4 da Argentina após uma temporada complicada em 2014 com lesões. O tenista se garantiu nas 4ªs do Aberto do Rio e mostrou sua vontade de encarar o Brasil na Copa Davis.

Monaco superou o finlandês Jarkko Nieminen, 77º, por 6/1 7/6 e aguarda por David Ferrer, décimo, ou o holandês Thiemo De Bakker por vaga na semi no Rio de Janeiro.

"Pelo placar tava fácil, as circunstâncias não eram fáceis, faz muito calor, faltou ficar tranquilo com a partida perdida ele passou a bater muito forte na bola, joguei um pouco mal com esse placar, depois que ele empatou joguei de forma mais tranquila", comentou.

"Baixei bastante, muitas lesões, muitas oportunidades perdidas, joguei poucos torneios, nos últimos meses vinha fazendo coisas boas mesmo que não tenha tido um bom começo de ano, mas agora começo a ganhar partidas, preciso ganhar confiança, estar muito tempo na quadra, o corpo tem memória, muitos partidas e agora é seguir ganhando jogos e torneios", disse o atleta que já esteve entre os dez melhores do mundo e é uma das prováveis peças na equipe argentina que encara o Brasil em Tecnópolis no começo de março na primeira rodada da Copa Davis.

Monaco tem experiência em Copa Davis com 23 partidas com onze vitórias. Desejo para o natural de Tandil não falta para mais um confronto onde até o momento apenas Leonardo Mayer, 30º colocado, está convocado: "Sempre é muito especial a Copa Davis, novo capitão (Daniel Orsanic), novo desejo. Na Argentina se vê como uma forma muito especial. Estou às ordens do capitão e o que ele decidir vou respeitar. O capitão veio ver como estamos de jogo, de físico, é uma eliminatória no saibro, igual aqui, estou sempre pra somar, faltam duas semanas."

Para Juan, a eliminatória contra o Brasil será especial e ele não espera ânimos mais acirrados da torcida local: " É uma eliminatória complicada pela rivalidade Brasil x Argentina, estou esperando. A torcida fará o mesmo barulho que sempre faz, não importa o rival, eles sempre nos apoiam e estamos contentes com o apoio que recebemos continuamente na Copa Davis de forma muito especial e bonita".

Monaco também rechaçou qualquer problema com a torcida brasileira. no jogo de duplas na segunda-feira ao lado de Máximo Gonzalez, torcedores o insultaram e ele reclamou, mas afirmou que eram apenas "dois bêbados que exageraram". O Brasil é seu país favorito para férias: "No Brasil sempre me trataram muito bem, não é porque uma ou duas pessoas que me trataram mal que vou mudar a forma de ver bem o brasileiro, é meu lugar de férias todos os anos, cada vez que termina o ano venho aqui, pessoas muito amáveis", adicionou o tenista que foi curto e grosso ao comentar a reclamação de outros tenistas, principalmente de Leo Mayer, da torcida em São Paulo a chamando de pior do mundo: "Não falo pelos outros".