icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
23/11/2014
20:16

Ao escalar apenas os titulares Rogério Ceni, Edson Silva e Hudson para encarar o Santos na Arena Pantanal, Muricy Ramalho assumiu os riscos que um time sem entrosamento corre ao jogar pela primeira vez.

O saldo, no entanto, acabou sendo positivo para os tricolores, que controlaram a maior parte do clássico e ainda chegaram à vitória em boa troca de passes entre o lateral-esquerdo Reinaldo, o centroavante Luis Fabiano e o meia Boschilia.

Com o moral de quem venceu o San-São, os reservas saíram muito satisfeitos de Cuiabá. Para o atacante Osvaldo, com atuação mais discreta do que outros suplentes, o triunfo em Cuiabá ficará marcado.

– O que vale é a vitória. Era uma equipe que nunca tinha jogado junta, então todos estão de parabéns. Seja os que jogaram ou os que entraram depois – destacou.

Já para Michel Bastos, que entrou na vaga de Boschilia nos minutos finais, o importante foi ter alcançado a vaga na Libertadores. O camisa 7 também pediu para que o foco seja voltado rapidamente para a Copa Sul-Americana, já que na quarta-feira o time precisa reverter derrota por 1 a 0 para o Atlético Nacional (COL) para avançar à final.

– Estamos acabando a temporada com coisas positivas. Queríamos conquistar a vaga na Libertadores e conseguimos. E para concretizar esse ano bom, temos que pensar na quarta-feira. Será um jogo muito difícil – afirmou o meia.