icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
07/03/2014
17:14

Não são apenas os boleiros que divulgaram mensagens de repúdio em relação aos episódios racistas ocorridos em São Paulo e no Sul. O volante Arouca, do Santos, e o árbitro gaúcho Márcio Chagas da Silva, vítimas dos casos, receberam o apoio do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, através de nota oficial no site do ministério.

Rebelo entrou em contato com as autoridades de São Paulo e do Rio Grande do Sul para pedir investigação e "punição rigorosas aos torcedores" que cometeram os atos preconceituosos. O jogador santista foi chamado de "macaco" pela torcida do Mogi Mirim, enquanto Chagas foi insultado e teve o carro depredado por integrantes da torcida do Esportivo de Bento Gonçalves (RS).

- A agressão racista não atinge apenas aquele a quem é dirigida. Fere toda a população brasileira e a sua identidade de povo miscigenado - revelou o ministro.

Após uma conversa por telefone com o secretário de Segurança do Rio Grande do Sul, Airton Michels, Aldo Rebelo foi informado de que a polícia gaúcha já se mobiliza na busca pelos infratores.

- O secretário me informou que a Polícia Civil gaúcha já adotou providências para identificar os agressores do árbitro. A Justiça deve punir exemplarmente esse comportamento inaceitável. Não são torcedores, são criminosos - finalizou o ministro.