icons.title signature.placeholder Caio Carrieri
15/06/2014
13:09

Não é apenas o sombrero dos mexicanos que é gigante. A bicicleta de um dos torcedores também. E um fanático figuraça. O acrobata Elias de Souza Aguiar foi o protagonista da chegada da seleção tricolor no início da tarde deste domingo a Fortaleza (CE), onde a Tri (de tricolor, cores do uniforme) enfrenta o Brasil às 16h da próxima terça-feira, no estádio Castelão.

Em cima de uma bicicleta de 3,3m de altura por 3,5m comprimento, ele deu show na Avenida Beira-Mar durante o desembarque sob garoa da equipe comandada pelo técnico Miguel Herrera. Empunhando um megafone e com filho sentado no banco de trás, começou a anuciar a sua história.

- Já viajei a mais de 50 países de bicicleta e esta é a minha sétima Copa do Mundo que venho assim. Só não foi à Coréia e ao Japão. Tudo se iniciou aos 14 anos, quando comecei a construir bicicletas diferentes. Em 1986 fui assistir à Copa no México e em, um show numa praça, uma mulher subiu na minha bicicleta. Estávamos andando, um carro a atropelou. Eu cuidei dela por duas semanas, me apaixonei e fabricamos nosso filho sob um viaduto na Copa de 90 - brinca ele, natural de Lins (SP) que cresceu em Corumbá (MS), com endereço atual na Cidade do México e de mudança para Matelândia (PR).

Elias, brasileiro, e o filho, mexicano, no calçadão da Avenida Beira-Mar (Foto: Caio Carrieri)

- Nosso filho surgiu de um amor à primeira caída, não à primeira vista (risos). Mas há quatro anos esstou divorciado porque a milha mulher não aguentou mais viajar comigo e com nosso filho - completou ele sobre Elias Júnior, mexicano.

Para vir ao Brasil, ele deixou solo mexicano em fevereiro de 2013 e, segundo conta, pedalou por um trajeto de 2,5 mil km passando por Belize, Guatemala, Salvador, Costa Rica e Panamá, com o filho o escoltando em uma caminhonete.

- Nosso carro foi confiscado junto com os nossos bens na aduana do Panamá. Então pegamos um avião até Natal para o primeiro jogo (México 1x0 Camarões) e chegamos a Fortaleza ontem (sábado) - completou o acrobata que, embora tenha assistido à estreia da Tri, não tem ingresso para acompanhar in loco o duelo diante do Brasil.

O dinheiro que paga todo o percurso vem da venda de pulseiras que produziu em alusão ao Mundial. Confeccionou 20 mil e já vendeu oito mil por R$ 5 cada uma. Além disso, também arrecada verba da apresentação de acrobacias que realiza mundo afora.

Elias mostra imagem dele em cima de monociclo em mureta do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro (Foto: Caio Carrieri)

Hospedada no hotel Luzeiros, a seleção adotada por Elias treinará às 18h deste domingo, com portões fechados para a imprensa, na Universidade de Fortaleza. A delegação brasileira chegará à capital cearense no início desta noite se dirigirá ao Marina Park.

Desembarque dos mexicanos em uma travessa da Avenida Beira-Mar, com forte esquema de segurança (Foto: Caio Carrieri)