icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
28/07/2014
15:10

Vice-campeão da Copa com a Argentina, Lionel Messi voltará ao banco dos réus em breve. Em setembro de 2013, o craque já havia prestado depoimento sobre o desvio de parte de seu dinheiro para paraísos fiscais, além de sonegação de impostos.

Segundo o jornal "Mundo Deportivo", o juiz de Gavà, em Barcelona, manterá acusação ao argentino apesar de ele ter desembolsado 5 milhões de euros (R$ 15 milhões) para sanar dívidas e ter pago mais 53 milhões de euros (R$ 158,62 milhões) no último ano para a Receita Federal da Espanha.

A promotoria chegou a pedir o arquivamento do caso em relação ao jogador, sem sucesso. O objetivo era que houvesse processo aberto apenas contra o pai de Messi, Jorge Horacio.

O juiz alegou que existem "indícios suficientes" contra o jogador e que Messi poderia ter conhecido e consentido a criação de uma estrutura societária fictícia criada com o único objetivo de burlar o pagamento de impostos. O juiz lembra ainda que Messi assinou todos os documentos da empresa de fachada.

Outro argumento usado para manter o processo contra o argentino é o reconhecimento de firma do montante de direitos de imagem para a sociedade Sports Consultants, em 2006, por um período de dez anos por "preço irrisório". Até o contrato de direito de imagem de Messi com o Barcelona é questionado.

O responsável pelo caso afirma que mesmo o réu não tendo o "pleno conhecimento de todas as transações e não sabendo exatamente a quantia que foi fraudada", Messi deve responder pelas irregularidades.