icons.title signature.placeholder RADAR / LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder RADAR / LANCEPRESS!
22/08/2015
19:07

A oscilação continua a assolar a campanha do Oeste na Série B do Brasileirão. Tropeçando em seus próprios erros, o Rubrão não passou de um empate em 1 a 1 com o ABC, neste sábado, no Estádio José Liberatti. Após uma etapa inicial irreconhecível, a equipe viu Edno abrir o placar para os potiguares e, apesar de Wagninho empatar de pênalti, não aproveitaram o fato de estar com um a mais no segundo tempo.

POTIGUARES SURPREENDEM DIANTE DE UM APÁTICO OESTE

Postado de maneira defensiva, o ABC não teve dificuldades para abrir o placar em Osasco. Após uma cobrança de lateral, Rafael Oliveira serviu Edno, que, de cabeça, mandou para o fundo da rede, logo aos seis minutos.

A desvantagem fez o Rubrão lançar-se ao ataque. Porém, a equipe esbarrava em seus próprios erros de passe e recorria a passes longos, que eram facilmente neutralizados pela zaga da equipe potiguar.

Em meio à etapa inicial morna, o Oeste conseguiu sua primeira chance apenas aos 42 minutos. Rafael Martins girou na área e finalizou, para defesa de Gilvan.

MESMO COM UM A MAIS, RUBRÃO NÃO CONSEGUE VIRADA

A tensão do Oeste durou apenas 18 segundos. Período suficiente para Renan Mota encontrar um espaço na área rival e ser derrubado por Fábio Bahia dentro da área. Wagninho cobrou pênalti, e a bola caprichosamente bateu na trave antes de entrar a um minuto, igualando o marcador.

O ABC foi à frente, e viu Ronaldo Mendes mandar rente à trave. Os paulistas esboçaram uma reação com Wangler, mas novamente Ronaldo Mendes se impôs na equipe potiguar, ao exigir que o goleiro Jeferson fizesse grande defesa.

A pressão dos visitantes esfriou aos 22 minutos, quando Ronaldo Mendes recebeu cartão vermelho após reclamação. O Oeste lançou-se à frente, e teve chance com Rodriguinho logo em seguida.

Aos 25 minutos, foi a vez de Rafael Martins passou por dois e bateu por cobertura, mas a bola parou no travessão de Gilvan. Os paulistas imprensaram o ABC contra seu ataque, mas viram suas chances limitadas a uma batida de Wangler.

A oscilação continua a assolar a campanha do Oeste na Série B do Brasileirão. Tropeçando em seus próprios erros, o Rubrão não passou de um empate em 1 a 1 com o ABC, neste sábado, no Estádio José Liberatti. Após uma etapa inicial irreconhecível, a equipe viu Edno abrir o placar para os potiguares e, apesar de Wagninho empatar de pênalti, não aproveitaram o fato de estar com um a mais no segundo tempo.

POTIGUARES SURPREENDEM DIANTE DE UM APÁTICO OESTE

Postado de maneira defensiva, o ABC não teve dificuldades para abrir o placar em Osasco. Após uma cobrança de lateral, Rafael Oliveira serviu Edno, que, de cabeça, mandou para o fundo da rede, logo aos seis minutos.

A desvantagem fez o Rubrão lançar-se ao ataque. Porém, a equipe esbarrava em seus próprios erros de passe e recorria a passes longos, que eram facilmente neutralizados pela zaga da equipe potiguar.

Em meio à etapa inicial morna, o Oeste conseguiu sua primeira chance apenas aos 42 minutos. Rafael Martins girou na área e finalizou, para defesa de Gilvan.

MESMO COM UM A MAIS, RUBRÃO NÃO CONSEGUE VIRADA

A tensão do Oeste durou apenas 18 segundos. Período suficiente para Renan Mota encontrar um espaço na área rival e ser derrubado por Fábio Bahia dentro da área. Wagninho cobrou pênalti, e a bola caprichosamente bateu na trave antes de entrar a um minuto, igualando o marcador.

O ABC foi à frente, e viu Ronaldo Mendes mandar rente à trave. Os paulistas esboçaram uma reação com Wangler, mas novamente Ronaldo Mendes se impôs na equipe potiguar, ao exigir que o goleiro Jeferson fizesse grande defesa.

A pressão dos visitantes esfriou aos 22 minutos, quando Ronaldo Mendes recebeu cartão vermelho após reclamação. O Oeste lançou-se à frente, e teve chance com Rodriguinho logo em seguida.

Aos 25 minutos, foi a vez de Rafael Martins passou por dois e bateu por cobertura, mas a bola parou no travessão de Gilvan. Os paulistas imprensaram o ABC contra seu ataque, mas viram suas chances limitadas a uma batida de Wangler.