icons.title signature.placeholder Raphael Martins
14/03/2014
08:10

Existe a máxima de que “o show deve continuar.” E ela será colocada a prova mais uma vez neste fim de semana quando, pois depois de duas semanas adiado, o Campeonato Ucraniano voltará a ser disputado em meio à crise institucional que vive a Ucrânia.

Uma turbulência que teve o seu ápice com os fortes protestos na Praça da Independência, em Kiev. No local pelo menos 25 pessoas morreram. Algo que culminou com a queda de Viktor Yanukovych, o ex-presidente pró-Rússia.

– Sempre houve uma insatisfação, mas de forma velada. Em Karkhiv a coisa não foi tão forte, mas mesmo assim foi assustador – contou ao LANCE!Net o zagueiro Rodrigo Moledo, do Metalist.

Enquanto a bola estiver rolando, os habitantes da Península da Crimeia, região que foi invadida pelo exército russo, estarão votando se preferem se manter sob bandeira ucraniana ou russa.

– Não acho o melhor momento para o campeonato voltar. Inclusive existe um time dessa região, que terá de mandar o seu jogo em Kiev por causa do plebiscito – disse Moledo, em menção ao Tavriya Simferopol.

A situação na Península da Crimeia

População russa
Assim como em todo o Leste da Ucrânia, a população da Crimeia é pró-Rússia. Falam, inclusive, o idioma russo.

Invasão
Após a queda do ex-presidente Viktor Yanukovych, que era Pró-Rússia, forças do país vizinho invadiram a península ucraniana.

Independência
O Parlamento da Crimeia, que já possuía um grau de autonomia, proclamou a independência da região nesta semana.

Plebiscito
No próximo domingo, a população da Crimeia irá decidir, através do voto, se permanecerá como parte da Ucrânia ou passará a ser parte da Rússia.