icons.title signature.placeholder Marcelo Perillier
icons.title signature.placeholder Marcelo Perillier
03/07/2013
23:58

Uma peça pode mexer em toda engrenagem. Fato comprovado no duelo entre Botafogo e Figueirense, pelo jogo de ida da terceira fase da Copa do Brasil. A entrada de Vitinho na vaga de Fellype Gabriel, vendido ao Sharjah FC, dos Emirados Árabes, fez com que o Glorioso ficasse um pouco perdido no meio de campo. Atrelado a mudança, a equipe sentiu a falta de ritmo decorrente dos 24 dias sem disputar uma partida oficial, porém, conseguiu vencer o Figueira por 1 a 0, no Raulino de Oliveira. Com o resultado, o Botafogo chegou ao décimo jogo de invencibilidade no Raulino de Oliveira. 

A partida da volta está programada para o dia 24, às 21h50, no Orlando Scarpelli. O Botafogo pode empatar, que estará classificado. Caso o Figueira vença por 1 a 0, a vaga nas oitavas será decidida nas penalidades. O próximo confronto do Botafogo será contra o Fluminense no domingo, dia 7, às 18h30, na Arena Pernambuco, pelo Campeonato Brasileiro. Já o Figueirense, pela série B do Brasileiro, recebe o Boa Esporte, no sábado, às 21h. 

O JOGO

Depois de 24 dias sem pisar em um gramado para uma partida oficial, o Botafogo sofreu com a falta de ritmo. Buscando se encontrar em campo, a equipe carioca pouco atacou o Figueirense nos minutos iniciais. O meio de campo não foi eficiente e deixou nítida a importância que Fellype Gabriel tinha na equipe. Assim como o Glorioso, o Figueira também sentiu o longo período inativo e quase não ameaçou. Se não fosse as boas investidas de Wellington Saci pela esquerda, o time catarinense não levaria perigo ao gol de Jefferson.

O Botafogo só acordou para o jogo, quando Seedorf chamou a responsabilidade para si e assumiu o papel de maestro. Com duas bolas na trave, sendo uma com um toque de classe por cobertura, o camisa 10 mostrou estar com fôlego de menino, mesmo tendo se reapresentado dez dias depois dos companheiros. Além do holandês, Lodeiro, Rafael Marques e Vitinho, que assumiu a vaga de Fellype Gabriel, também ameaçavam a meta de Tiago Volpi.


Seedorf foi o melhor jogador do Botafogo em campo (Foto: Cleber Mendes/LANCE!Press)

O gol do jogo saiu após cobrança de escanteio. Lodeiro cruzou para área e Rafael Marques, de cabeça, mandou a bola para o fundo do gol do Figueirense aos 28 minutos. O restante do primeiro tempo foi só de correria e tentivas frustradas de ameaçar. Os dois técnicos realmente precisariam conversar muito com seus comandados para mudar o panorama do jogo.

Diferentemente do primeiro tempo, as duas equipes voltaram mais ligadas no segundo. O Figueirense quase empatou com Rafael Costa, mas o atacante cabeçeou fraco.

Aos 22 minutos, Vitinho, quase marcou o segundo do Botafogo. O meia-atacante chutou da intermediária, mas o goleiro catarinense conseguiu encaixar bem a bola. Em resposta, Rafael Costa, novamente, recebeu de Nem e chutou, obrigando Jefferson a fazer uma boa intervenção a queima-roupa.


Vitinho assumiu a vaga deixada por Fellype Gabriel (Foto: Cleber Mendes/LANCE!Press)

Depois do lance, o Botafogo dominou o jogo, mas não conseguiu acertar o último passe para ampliar o placar. Enquanto isso, o Figueirense, em contra-ataques, tentava o empate. A melhor chance foi aos 39, com Rafael Costa, na pequena área. Mas o camisa 9 mandou a bola por cima da meta de Jefferson. 

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 1 X 0 FIGUEIRENSE

Local: Raulino de Oliveira, Volta Redonda (RJ)
Data/hora: 3/7/2013 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Guilherme Ceretta de Lima (SP)
Auxiliares: Herman Brumel Vani (SP) e Fábio Rogério Baesteiro (SP)
Cartão Amarelo: -
Cartão Vermelho: -
Público/Renda: 754 pagantes/R$ 14.985

Gol: Rafael Marques (28'/1ºT)

BOTAFOGO: Jefferson, Lucas, Bolívar, Dória e Julio Cesar; Marcelo Mattos, Gabriel, Lodeiro (Renato 38'/2ºT), Seedorf e Vitinho (Sassá 29'/2ºT); Rafael Marques - Técnico: Oswaldo de Oliveira.

FIGUEIRENSE: Tiago Volpi, André Rocha, Thiego, Douglas Silva e Wellington Saci; Nem, Ronaldo Tres, Maylson (Tchô 5'/2ºT) e Diguinho; Ricardinho (Pablo 16'/2ºT) e Rafael Costa – Técnico: Adilson Batista.

Uma peça pode mexer em toda engrenagem. Fato comprovado no duelo entre Botafogo e Figueirense, pelo jogo de ida da terceira fase da Copa do Brasil. A entrada de Vitinho na vaga de Fellype Gabriel, vendido ao Sharjah FC, dos Emirados Árabes, fez com que o Glorioso ficasse um pouco perdido no meio de campo. Atrelado a mudança, a equipe sentiu a falta de ritmo decorrente dos 24 dias sem disputar uma partida oficial, porém, conseguiu vencer o Figueira por 1 a 0, no Raulino de Oliveira. Com o resultado, o Botafogo chegou ao décimo jogo de invencibilidade no Raulino de Oliveira. 

A partida da volta está programada para o dia 24, às 21h50, no Orlando Scarpelli. O Botafogo pode empatar, que estará classificado. Caso o Figueira vença por 1 a 0, a vaga nas oitavas será decidida nas penalidades. O próximo confronto do Botafogo será contra o Fluminense no domingo, dia 7, às 18h30, na Arena Pernambuco, pelo Campeonato Brasileiro. Já o Figueirense, pela série B do Brasileiro, recebe o Boa Esporte, no sábado, às 21h. 

O JOGO

Depois de 24 dias sem pisar em um gramado para uma partida oficial, o Botafogo sofreu com a falta de ritmo. Buscando se encontrar em campo, a equipe carioca pouco atacou o Figueirense nos minutos iniciais. O meio de campo não foi eficiente e deixou nítida a importância que Fellype Gabriel tinha na equipe. Assim como o Glorioso, o Figueira também sentiu o longo período inativo e quase não ameaçou. Se não fosse as boas investidas de Wellington Saci pela esquerda, o time catarinense não levaria perigo ao gol de Jefferson.

O Botafogo só acordou para o jogo, quando Seedorf chamou a responsabilidade para si e assumiu o papel de maestro. Com duas bolas na trave, sendo uma com um toque de classe por cobertura, o camisa 10 mostrou estar com fôlego de menino, mesmo tendo se reapresentado dez dias depois dos companheiros. Além do holandês, Lodeiro, Rafael Marques e Vitinho, que assumiu a vaga de Fellype Gabriel, também ameaçavam a meta de Tiago Volpi.


Seedorf foi o melhor jogador do Botafogo em campo (Foto: Cleber Mendes/LANCE!Press)

O gol do jogo saiu após cobrança de escanteio. Lodeiro cruzou para área e Rafael Marques, de cabeça, mandou a bola para o fundo do gol do Figueirense aos 28 minutos. O restante do primeiro tempo foi só de correria e tentivas frustradas de ameaçar. Os dois técnicos realmente precisariam conversar muito com seus comandados para mudar o panorama do jogo.

Diferentemente do primeiro tempo, as duas equipes voltaram mais ligadas no segundo. O Figueirense quase empatou com Rafael Costa, mas o atacante cabeçeou fraco.

Aos 22 minutos, Vitinho, quase marcou o segundo do Botafogo. O meia-atacante chutou da intermediária, mas o goleiro catarinense conseguiu encaixar bem a bola. Em resposta, Rafael Costa, novamente, recebeu de Nem e chutou, obrigando Jefferson a fazer uma boa intervenção a queima-roupa.


Vitinho assumiu a vaga deixada por Fellype Gabriel (Foto: Cleber Mendes/LANCE!Press)

Depois do lance, o Botafogo dominou o jogo, mas não conseguiu acertar o último passe para ampliar o placar. Enquanto isso, o Figueirense, em contra-ataques, tentava o empate. A melhor chance foi aos 39, com Rafael Costa, na pequena área. Mas o camisa 9 mandou a bola por cima da meta de Jefferson. 

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 1 X 0 FIGUEIRENSE

Local: Raulino de Oliveira, Volta Redonda (RJ)
Data/hora: 3/7/2013 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Guilherme Ceretta de Lima (SP)
Auxiliares: Herman Brumel Vani (SP) e Fábio Rogério Baesteiro (SP)
Cartão Amarelo: -
Cartão Vermelho: -
Público/Renda: 754 pagantes/R$ 14.985

Gol: Rafael Marques (28'/1ºT)

BOTAFOGO: Jefferson, Lucas, Bolívar, Dória e Julio Cesar; Marcelo Mattos, Gabriel, Lodeiro (Renato 38'/2ºT), Seedorf e Vitinho (Sassá 29'/2ºT); Rafael Marques - Técnico: Oswaldo de Oliveira.

FIGUEIRENSE: Tiago Volpi, André Rocha, Thiego, Douglas Silva e Wellington Saci; Nem, Ronaldo Tres, Maylson (Tchô 5'/2ºT) e Diguinho; Ricardinho (Pablo 16'/2ºT) e Rafael Costa – Técnico: Adilson Batista.