icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
26/07/2013
16:22

Apesar da concorrência na posição e da sua idade já avançada (34 anos), o recém-contratado volante Guiñazú tem em mente a disputa da Copa do Mundo do ano que vem, no Brasil. E o argentino, que vem sendo convocado pelo técnico Alejandro Sabella para a seleção, acredita que defender o Vasco pode ajudar na conquista dessa meta pessoal.

- Ainda sonho com a Copa do Mundo e, para isso, jogar no Brasil será muito bom. O Campeonato Brasileiro é um dos mais fortes do mundo, todos assistem e sabem o que está acontecendo - disse o "Cholo Loco", em entrevista à agência de notícias Efe.

O volante também se colocou à disposição do clube quanto a sua naturalização, se necessária. Guiñazú é o quarto estrangeiro do elenco cruz-maltino. Os outros são o equatoriano Tenório, o peruano Yotún e o colombiano Montoya, que ainda não estreou. Pelas normas da CBF, somente três jogadores sem nacionalidade brasileira podem entrar em campo.

- É algo que depende mais do clube. Acho que o processo não é tão rápido, mas se o Vasco achar que pode ser bom, podemos conversar - afirmou o volante, que já treina com o elenco vascaíno.

Apesar da concorrência na posição e da sua idade já avançada (34 anos), o recém-contratado volante Guiñazú tem em mente a disputa da Copa do Mundo do ano que vem, no Brasil. E o argentino, que vem sendo convocado pelo técnico Alejandro Sabella para a seleção, acredita que defender o Vasco pode ajudar na conquista dessa meta pessoal.

- Ainda sonho com a Copa do Mundo e, para isso, jogar no Brasil será muito bom. O Campeonato Brasileiro é um dos mais fortes do mundo, todos assistem e sabem o que está acontecendo - disse o "Cholo Loco", em entrevista à agência de notícias Efe.

O volante também se colocou à disposição do clube quanto a sua naturalização, se necessária. Guiñazú é o quarto estrangeiro do elenco cruz-maltino. Os outros são o equatoriano Tenório, o peruano Yotún e o colombiano Montoya, que ainda não estreou. Pelas normas da CBF, somente três jogadores sem nacionalidade brasileira podem entrar em campo.

- É algo que depende mais do clube. Acho que o processo não é tão rápido, mas se o Vasco achar que pode ser bom, podemos conversar - afirmou o volante, que já treina com o elenco vascaíno.