icons.title signature.placeholder Eduardo Mendes
11/11/2014
09:04

Onze anos já se passaram desde a conquista do Campeonato Brasileiro de 2003 pelo Cruzeiro. O título, o único de Márcio Nobre atuando no país, também marcou a despedida do atacante que, a partir de 2004, decidiu aventurar-se no futebol turco. A decisão não significou apenas se naturalizar cidadão turco e ter o respeito dos torcedores dos rivais Fenerbahçe e Besiktas, clubes que defendeu em Istambul. Aos 33 anos e uma das referências do modesto Kayserispor, da segunda divisão turca, Mert Nobre, como é conhecido depois de obter a cidadania, já definiu a data para se aposentar e,posteriormente, seguir a carreira como técnico na Turquia.

A decisão, pensada já há algum tempo, não só descarta um retorno para o Brasil como também foi um fator responsável por ele dizer "não" a sondagens de empresários que tentaram convencê-lo a encerrar a carreira no Brasil.

- Estou com 33 anos e projeto jogar mais dois. Tive coisas do Brasil, mas quis ficar por aqui para terminar. Quero seguir no futebol turco, continuar no ramo. Fiz toda uma carreira e tenho uma vida aqui. Tenho família, filhos... No Brasil há muita coisa que deixa a desejar - ponderou.

Márcio Nobre considera-se uma espécie de "vovô" dos brasileiros que estão no país por ter sido um dos primeiros a desembarcar na Turquia. Os contatos feitos durante esse tempo também servem, agora, como ponte para iniciar uma nova trajetória como treinador.

- Na verdade, tenho convite e uma situação bem encaminhada. Faltam poucos detalhes. Tenho um carinho muito grande por tudo que diz aqui. Então este será o caminho provável - explicou o atacante.

Feitos que incluem a conquista de dois campeonatos nacionais - um pelo Fenerbahçe e outro pelo Besiktas - e a Taça da Turquia - também pelo Besiktas. A despeito do certo equilíbrio de troféus com as camisas dos rivais, Márcio Nobre admite que o primeiro título logo na chegada remete a uma recordação especial.

- Quando cheguei, o Fenerbahçe estava a onze pontos do líder, que era o Besiktas. Em 17 jogos que restavam fiz 12 gols, tiramos 11 pontos e fomos campeões com uma rodada de antecedência. Foi um grande começo, inesquecível - lembrou-se Márcio.


A LEGIÃO BRASILEIRA NA SEGUNDA DIVISÃO TURCA

Engana-se quem pensa que Márcio Nobre é o único brasileiro a se arriscar no segunda divisão turca, que conta com a participação de 18 clubes e 489 jogadores. O atacante é um dos 91 estrangeiros e um dos nove atletas do Brasil que disputam a competição, cujo valor de mercado é de R$ 583 milhões, segundo o site especializado Transfermarkt.

O ex-cruzeirense tem como rivais alguns nomes conhecidos do torcedor brasileiro. Bobô, que atua com Nobre no Kayserispor, Kahê, Fábio Billica e Jones Carioca são alguns dos que seguiram os passos do jogador revelado pelo Paraná.

O atual destaque da competição com origens no Brasil, porém, é Thiago Bezerra. Com passagens por Ituano (SP) e (CRB) e sem ter no currículo um clube da Série A, o atacante de 27 anos disputa a artilharia da segunda divisão com cinco gols anotados pelo Adanaspor - um a menos do que o goleador principal.