icons.title signature.placeholder Felipe Bolguese e Rodrigo Vessoni
27/02/2015
07:02

De desconhecido e candidato a pivô de problemas extracampo e prejuízos financeiros a carismático e 'super-herói' de uma torcida. É assim que dá para resumir os últimos dois meses de Stiven Mendoza no Parque São Jorge.

O colombiano chegou ao Brasil como incógnita, vindo de um clube desconhecido (Chennayin FC) e de um futebol sem qualquer tradição (Índia). Mas bastou um bom jogo contra o maior rival (Palmeiras), com direito a uma arrancada por quase todo gramado, e o primeiro gol pela equipe para que o jogador se transformasse em xodó da Fiel.

O gol contra o Linense, na quarta-feira, em Lins, foi o que bastava para que as redes sociais fossem inundadas de brincadeiras a respeito de sua velocidade em campo. Internautas o compararam ao jamaicano Usain Bolt. Houve quem lembrasse do personagem de desenho animado “The Flash”. Isso sem falar nas piadas que o compararam à velocidade da luz. O “#mendozafacts” virou hit na internet. E agradou...

Tanto agradou que o próprio jogador usou seu perfil no Twitter para enaltecer seu “superpoder”. Até mesmo o departamento de comunicação do clube resolveu entrar na onda positiva de elevar Mendoza ao status de um superheroi. Ao LANCE!Net, por meio de sua assessoria de imprensa, o jogador comentou:

– Esta sempre foi uma das minhas características, junto às jogadas de drible e força. Fico feliz pelo reconhecimento em público – afirmou o camisa 30, que ainda terá de correr muito para ser titular da equipe.

Após o jogo contra o Linense, mesmo com Mendoza sendo o melhor em campo, o técnico Tite deixou claro que ainda há um caminho de melhora a ser percorrido pelo colombiano, principalmente nas finalizações. Correr é o que ele mais sabe!


IMPRESSÕES SOBRE MENDOZA:

Rincón, compatriota, ex-camisa 8 do Corinthians:
"É jovem ainda, tem muito a aprender jogando no Brasil e no Corinthians. Se tiver a cabeça boa, tem tudo para se dar bem. É rápido, ajuda a marcar e procura fazer o que o técnico pede, isso é importante. O que não pode deixar de fazer é se dedicar e mostrar vontade. É isso o que a torcida espera de todos."

Zico, técnico do Goa, da Índia, sobre os duelos contra o Chennaiyin:
"No primeiro jogo contra nós, ele estava chegando, era reserva, entrou e causou um alvoroço danado. É rápido e de habilidade. Na Índia ele jogava mais pelo meio, quase como um centroavante, tipo o Marcelo Cirino".

Elano, ex-companheiro na Índia:
"É bom jogador, veloz, até quando eu errava (o passe) ele chegava na bola. Ele me ligou para falar do Corinthians, eu disse que estava feliz por ele."