icons.title signature.placeholder Gabriela Abrunheiro
04/04/2014
16:35

Em reunião na Arena Corinthians, na tarde desta sexta-feira, Andrés Sanchez, responsável pelo estádio, e Luis Antônio de Medeiros, superintendente do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), decidiram que de agora em diante é o Corinthians quem vai responder pela segurança dos operários que estão trabalhando nas obras das arquibancadas móveis, de responsabilidade da Fast Engenharia.
 
Num primeiro momento, o encontro serviria para conversarem sobre as medidas de segurança a serem tomadas para que houvesse a liberação das obras nas móveis atrás dos dois gols - que foram paralisadas devido a morte do operário Fabio Hamilton da Cruz, no dia 29 de abril. Além disso, ficou definido também que Andrés seria a garantia do Ministério do Trabalho e Emprego.

- O que o Andrés disse é que os auditores fiscais vão dizer onde precisa da rede, onde precisa da torre. Aquilo que os auditores  acharem  que é fundamental de segurança pra vida será atendido. Ele é o fiador, nós temos um fiador agora que é o Andres Sanches - disse Medeiros.

- Infelizmente faltou um pouco de comunicação da empresa. Está  demorando. Já era pra ter definido se era pra colocar isso ou aquilo (as redes ou as torres). Eles estavam com dificuldades e o Corinthians, como é o responsável pela obra e é o dono do estádio, teve que se meter - explicou Andrés, fazendo referência à Fast Engenharia, empresa contratada pela Ambev e responsável pelas arquibancadas provisórias do estádio.

Sobre o possível atraso nas obras, o ex-presidente do Corinthians afirmou que sabe das responsabilidades e que vai entregar a arena à Fifa entre os dias 20 e 25 de maio. E, de acordo com a sua assessoria, o estádio será utilizado no jogo contra o Flamengo, marcado para o dia 27 de abril.