icons.title signature.placeholder Marcio Porto
icons.title signature.placeholder Marcio Porto
01/07/2013
06:11

Contratado para resolver um antigo problema na lateral direita do Santos, Cicinho precisará de um período de readaptação. É que, na Ponte Preta, seu ex-clube, ele não fazia a função há tempos. Vinha jogando como meia. Problema? O reforço diz que não.

Em entrevista exclusiva ao LANCE!Net, o primeiro jogador contratado após a saída de Neymar disse que não escolhe posição e garantiu empenho total para dar alegrias aos torcedores santistas.

– Sempre falo que estou aí para o que der e vier e o que o treinador quiser. Não tenho preferência. Desde que chegue para ajudar, vou sempre procurar me adaptar – afirmou Cicinho, ressaltando a versatilidade como característica.

Apesar de o elenco já contar com Bruno Peres e Rafael Galhardo para a lateral direita, Cicinho chega com status de titular. Até mesmo pelo investimento feito pelo clube.

Destaque na Macaca, o ala custou pouco mais de R$ 6 milhões, que serão pagos pelo Peixe, o fundo Doyen Sports (que tinha 50% de Felipe Anderson) e a Teisa (Terceira Estrela Investimentos, grupo de investimentos ligado ao Alvinegro). Ele assinou contrato de cinco anos.

Confira entrevista com Cicinho

O que o acerto com o Santos representa para você?
Estava bem na Ponte Preta, onde fui muito feliz, mas chegou o Santos e aceitaram a proposta. Então, fiquei muito feliz, pois trata-se de um grande clube. Vou fazer o meu máximo, o meu melhor sempre, como fiz pela Ponte Preta.

Sua vida já mudou?
Mudou. A gente recebe muitos parabéns, porque se trata de um clube de muita tradição. Então, foi muito neste sentido, de receber elogios. Tenho muita vontade de vencer na vida, então, como sempre, vou tentar de tudo para superar as coisas.

Você fala em superação. Passou por muita dificuldade?
Todo jogador passou na infância e comigo não foi diferente. A infância é muito complicada, então agora que a gente está com a oportunidade, tem de aprender a dar valor.

Está pronto para jogar o clássico de domingo, contra o São Paulo?
A gente vai trabalhar essa semana para que o treinador possa ver meu futebol, meu potencial. Mas claro que eu vou querer estar lá para ajudar, vou trabalhar forte.

O que espera do Santos?
Vou começar a treinar amanhã (hoje) e espero ser muito feliz.

Contratado para resolver um antigo problema na lateral direita do Santos, Cicinho precisará de um período de readaptação. É que, na Ponte Preta, seu ex-clube, ele não fazia a função há tempos. Vinha jogando como meia. Problema? O reforço diz que não.

Em entrevista exclusiva ao LANCE!Net, o primeiro jogador contratado após a saída de Neymar disse que não escolhe posição e garantiu empenho total para dar alegrias aos torcedores santistas.

– Sempre falo que estou aí para o que der e vier e o que o treinador quiser. Não tenho preferência. Desde que chegue para ajudar, vou sempre procurar me adaptar – afirmou Cicinho, ressaltando a versatilidade como característica.

Apesar de o elenco já contar com Bruno Peres e Rafael Galhardo para a lateral direita, Cicinho chega com status de titular. Até mesmo pelo investimento feito pelo clube.

Destaque na Macaca, o ala custou pouco mais de R$ 6 milhões, que serão pagos pelo Peixe, o fundo Doyen Sports (que tinha 50% de Felipe Anderson) e a Teisa (Terceira Estrela Investimentos, grupo de investimentos ligado ao Alvinegro). Ele assinou contrato de cinco anos.

Confira entrevista com Cicinho

O que o acerto com o Santos representa para você?
Estava bem na Ponte Preta, onde fui muito feliz, mas chegou o Santos e aceitaram a proposta. Então, fiquei muito feliz, pois trata-se de um grande clube. Vou fazer o meu máximo, o meu melhor sempre, como fiz pela Ponte Preta.

Sua vida já mudou?
Mudou. A gente recebe muitos parabéns, porque se trata de um clube de muita tradição. Então, foi muito neste sentido, de receber elogios. Tenho muita vontade de vencer na vida, então, como sempre, vou tentar de tudo para superar as coisas.

Você fala em superação. Passou por muita dificuldade?
Todo jogador passou na infância e comigo não foi diferente. A infância é muito complicada, então agora que a gente está com a oportunidade, tem de aprender a dar valor.

Está pronto para jogar o clássico de domingo, contra o São Paulo?
A gente vai trabalhar essa semana para que o treinador possa ver meu futebol, meu potencial. Mas claro que eu vou querer estar lá para ajudar, vou trabalhar forte.

O que espera do Santos?
Vou começar a treinar amanhã (hoje) e espero ser muito feliz.