icons.title signature.placeholder Gabriel Rodrigues
20/12/2013
18:05

O imbróglio judicial entre o Vasco e Matheus Índio parece não ter fim e teve um novo capítulo. Na última terça-feira, o jogador conseguiu, mais uma vez, no Tribunal Regional do Trabalho, o cancelamento do vínculo com o clube. Os agentes do meia acionaram a Corregedoria do Tribunal Regional do Trabalho para análise da decisão da juíza Patricia de Medeiros Ribeiro, que havia julgado improcedente a ação de Índio pedindo o desligamento do Vasco, mas voltou atrás e, no momento, o jogador retorna ao plantel do Penapolense. Mas o clube carioca não vai desistir:

- O Vasco já entrou com um recurso para reverter essa decisão, que é provisória. O Vasco já teve uma sentença a seu favor e agora vamos ao TST (Tribunal Superior do Trabalho). O Matheus entra com esse pedido na calada da noite e, provavelmente, um juíz que não conhece o caso faz uma análise superficial e toma essa decisão. Vamos até o final com isso e contamos com o jogador para a Copa São Paulo e o Estadual - disse o diretor jurídico do clube, Gustavo Pinheiro.

Matheus Índio pede o desligamento do Vasco alegando salários atrasados e outros encargos trabalhistas superiores a três meses. Mas Pinheiro afirmou que o único problema entre o clube e o jogador se deu por uma falha da Caixa Econômica Federal:

- Nunca aconteceu isso de salário atrasado, a questão foi do FGTS (Fundo de Garantia de Tempo de Serviço). Não apareceu no extrato um depósito que o Vasco fez, mas foi uma falha no sistema da Caixa. Isso pode ser comprovado facilmente.

O jogador foi apresentado no Penapolense no final de novembro. Mas um jornal português já revelou que o Porto teria o interesse em contratar Matheus Índio. E o diretor jurídico acredita que esse interesse possa estar influenciando na decisão dos agentes do jogador:

- Deve existir o interesse de algum clube do exterior e estão tentando se valer do judiciário para não pagar o que se deve ao vasco, que fez todo um investimento no jogador, desde a base.