icons.title signature.placeholder RADAR/RNL/O LIBERAL
10/02/2015
15:28

O assunto reforços silenciou no Paysandu após o início do Campeonato Paraense e Copa Verde. E se não bastasse as informações escassas sobre acrescentar qualidade ao elenco, ainda há chances de perder peças importantes. A saída do lateral-esquerdo Marlon pode se consumar a qualquer momento.

O próprio jogador admitiu o assunto, em entrevista coletiva no estádio do Paysandu, logo após a reapresentação do grupo. O mercado de Santa Catarina, precisamente o Figueirense, pode ser o destino. O Figueira sondou o Vasco, que detém os direitos federativos do jogador e o emprestou para o Paysandu por um ano, condicionando uma cláusula contratual, que trata sobre a possibilidade de rescisão contratual, caso haja interesse de clubes de fora e da Série A.

O treinador do Figueira, Argel Fucks, é o principal entusiasta do acerto. Argel procurou o atleta, pouco antes da partida entre Tapajós e Paysandu, realizada na última quinta-feira. O treinador do Figueirense dirigiu Marlon quando o paraense era jogador do Criciúma.

- O Argel acabou me ligando no dia que eu estava na concentração, mas quem decide o meu futuro não sou eu, sou um jogador. Quem decide é o Vasco - assegurou o lateral-esquerdo, único jogador de ofício na ala canhota dentro do elenco.

Se a direção do Papão tenta evitar a informação sobre a cláusula liberatória, justamente para evitar o assédio em cima do jogador. Marlon deixa a entender que a ameaça de saída, de fato, existe.

- Não depende de mim permanecer no Paysandu, depende do Vasco, que tem meus direitos. O Figueirense está entrando em contato com o Vasco, pelo que o meu empresário me passou e o Vasco vai ver o que é melhor para mim - esclareceu.