icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
25/11/2014
21:26

 Depois da entrevista de Wagner, o vice de futebol do Fluminense, Mario Bittencourt, se pronunciou junto à imprensa. Para o dirigente, a entrevista não teve nada de anormal e contou com a sinceridade do camisa 10.

- (O Wagner) fez comparativo com anos anteriores do próprio clube, porque algumas situações se modificaram. Não só ele, outros também falaram (Fred, Rafael Sobis e o ex-jogador Deco) que essa falta de investimento, na opinião deles, interferiu no resultado. Não fico preocupado nem chateado. Foi uma entrevista sincera. Em nada me incomodou. Nem a mim nem ao Paulo (Angioni) - afirmou Bittencourt.

Nesta terça-feira, Wagner afirmou diversas vezes que a permanência de ninguém - exceto o presidente Peter Siemsen, eleito - está confirmada para a próxima temporada. O meia ainda comentou que antes de Mario Bittencourt e Paulo Angioni assumirem seus respectivos cargos dentro do Tricolor, dirigentes anteriores desejavam sua saída. Agora, o cenário é outro, como bem confirma o vice de futebol do Flu.

- É um baita cara, atleta dedicado, com pensamentos sociais. Como tricolor, teria a maior dó por não tê-lo aqui no futuro, se isso se concretizasse - afirmou, prolongando-se para depois comentar sobre as insatisfações expostas pelo camisa 10: - Quando ele diz que interfere no resultado (salário atrasado, bichos, contratos no fim, etc.), é porque problemas de mudanças de conceitos interferem. Não é que tenham ficado desmotivados. Pegaram uma sequência de quatro vitórias na reta final. O que ele quis dizer é que qualquer profissional com a vida estabilizada e que passe por instabilidade vai passar por uma reflexão das situações, de pensar no futuro.

Mario Bittencourt também antecipou o que Wagner já havia comunicado: o ano que se aproxima será, possivelmente, mais difícil do que este que está para acabar. Ele disse que, com a redução dos investimentos, haverá uma "mudança de conceitos" e reiterou que não está chateado com o depoimento de Wagner:

- Já antecipo que 2015 será um ano de mudança de outros conceitos. Não estou chateado, expôs algumas situações que estamos vivendo desde maio. Não houve falta de suporte. Quando fala de problemas internos, é questão de um grupo que vem junto de muito tempo. Não temos problemas disciplinares desde que cheguei.