icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
03/02/2015
18:58

O Fluminense anunciou nesta terça-feira que aboliu a concentração do time na véspera das partidas que o clube for realizar no Rio de Janeiro. Após o anúncio, o vice-presidente de futebol Mário Bittencourt concedeu uma entrevista coletiva para explicar os motivos porque a diretoria tomou esta decisão e revelou que a ideia já existe desde o ano passado e foi tomada após muita conversa e análise.

- É uma conversa que a gente já vinha tendo desde o ano passado. Começamos a pensar sobre isso, batemos papo com o Cristovão e ele se posicionou em favor a isso. Fazer o minímo possível de concentração. Era um entendimento meu, na época o Angioni, que trabalhava aqui, defendia essa posição. Mas todos nós chegamos no meio de uma caminhada. Discutimos isso nos meados do ano e obviamente que implementar um novo modelo durante uma competição, atrai alguns ônus desnecessários - explicou.

Mário também revelou que a decisão foi tomada por vários motivos e que a direção conversou com diversos núcleos de trabalho do clube antes de fechar esta ideia. Segundo o dirigente, os médicos, a comissão técnica, os fisiologistas e os jogadores foram ouvidos antes da definição pelo fim da concentração:

- O ano começou e o Fernando Simone me perguntou sobre o que eu achava e nosso posicionamento era parecido. Consultamos todas as pessoas da parte médica, fisiológica, até os jogadores, que acredite você ou não, queriam concentrar. Diria pra você que 90% do elenco entendia da mesma forma que nós e adotamos essa medida para o Campeonato Carioca e para o Brasileiro, nos jogos dentro do Rio de Janeiro. Para os jogos fora, não tem como a gente não concentrar. Entendemos que isso seria de extrema valia para nós. Para ter os jogadores um pouco mais perto da família, dos filhos, nós conhecemos o dia a dia.

O dirigente ainda ressaltou que esta decisão pode ser reavaliada em algum caso especial:

- É lógico que podemos optar pela concentração antes de algum jogo específico. Isso vai depender do momento e da circunstância que ele apresentar. Mas isso vai ser decidido com uma conversa entre todos os lados, como aconteceu para definirmos em abolir esta concentração antes dos jogos no Rio de Janeiro.