icons.title signature.placeholder Igor Siqueira
23/11/2014
17:03

O presidente da CBF, José Maria Marin, não teve constrangimento em admitir: por causa do 7 a 1, a troca com o Chile do direito de sediar a Copa América-2015 pela edição de 2019 acabou sendo um alívio. A declaração do dirigente foi em Viña del Mar, onde nesta segunda-feira acontece o sorteio dos grupos da competição sul-americana.

- Em bom momento nós cedemos para o Chile, em razão do resultado no último campeonato do mundo disputado no nosso país. O que aconteceu foi o melhor - afirmou Marin, no hotel em que ocorre a reunião do Comimtê Executivo da Conmebol.

Em relação ao sorteio, o presidente da CBF afirma que não torce para que um adversário ou outro esteja no grupo do Brasil, que, ao lado de Argentina e Chile, é um dos cabeças de chave do torneio.

- Estou confiante. Respeitamos profundamente todos os adversários, a Copa América sempre foi uma competição bastante difícil. Principalmente porque envolve equipes bastante conhecidas pelo poderio, competitividade. Então, será uma competição difícil, mas estou confiante, principalmente pelos últimos resultados. O principal é que possamos contar com os melhores jogadores. Para o Brasil, não existe time fraco ou forte. Todos fazem questão de jogar bem contra o Brasil - comentou.

O sorteio da Copa América começa às 21h (de Brasília).