icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
14/07/2013
11:32

Parece mesmo que o ciclo de Ramires e Ronaldinho na Seleção Brasileira chegou ao fim. Pelo menos enquanto José Maria Marin for o presidente da CBF. Em entrevista ao jornal "O Globo", o mandatário do futebol nacional reclamou do que chamou de falta de comprometimento dos jogadores e insinuou que eles não serão convocados para os próximos jogos por conta de suas posturas:

 - A Seleção está de portas abertas para todo jogador brasileiro, mas mediante certas condições e desde que o comprometimento seja total, a partir da convocação. Comportamento dentro e fora do gramado é fundamental. Teve um jogador que deu prioridade a um jantar. Não cito nome. Mas a mulher dele ainda disse que a seleção era uma máfia, porque ele não foi mais convocado (a esposa de Ramires reclamou da não-convocação do marido).

Sobre Ronaldinho, Marin foi um pouco menos radical, não fechando totalmente as portas, mas garantindo que ficou magoado com o atraso do jogador na apresentação à Seleção Brasileira em Belo Horizonte - cidade onde reside - para o amistoso contra o Chile.

 - Você me convida para um jantar na sua casa. Eu chego à sua casa, e você não está. Eu espero, e você, que é o anfitrião, é o último a chegar. A Seleção vai jantar e quem é o último a chegar? O anfitrião. Não dá! - declarou o presidente da CBF.

Parece mesmo que o ciclo de Ramires e Ronaldinho na Seleção Brasileira chegou ao fim. Pelo menos enquanto José Maria Marin for o presidente da CBF. Em entrevista ao jornal "O Globo", o mandatário do futebol nacional reclamou do que chamou de falta de comprometimento dos jogadores e insinuou que eles não serão convocados para os próximos jogos por conta de suas posturas:

 - A Seleção está de portas abertas para todo jogador brasileiro, mas mediante certas condições e desde que o comprometimento seja total, a partir da convocação. Comportamento dentro e fora do gramado é fundamental. Teve um jogador que deu prioridade a um jantar. Não cito nome. Mas a mulher dele ainda disse que a seleção era uma máfia, porque ele não foi mais convocado (a esposa de Ramires reclamou da não-convocação do marido).

Sobre Ronaldinho, Marin foi um pouco menos radical, não fechando totalmente as portas, mas garantindo que ficou magoado com o atraso do jogador na apresentação à Seleção Brasileira em Belo Horizonte - cidade onde reside - para o amistoso contra o Chile.

 - Você me convida para um jantar na sua casa. Eu chego à sua casa, e você não está. Eu espero, e você, que é o anfitrião, é o último a chegar. A Seleção vai jantar e quem é o último a chegar? O anfitrião. Não dá! - declarou o presidente da CBF.