icons.title signature.placeholder Pedro Leanza
05/06/2014
17:18

Antes da Copa do Mundo, um cenário animador se desenhava para a Colômbia. Segunda colocada nas Eliminatórias da América do Sul, a equipe de José Pékerman foi "beneficiada" no dia 6 de dezembro de 2013, quando caiu no Grupo C do Mundial. Suposta favorita da chave que conta com Japão, Grécia e Costa do Marfim, a seleção colombiana, entretanto, viu o enredo mudar drasticamente.

A chegada de 2014 não só aumentou a expectativa pela disputa da Copa do Mundo, como também o azar. Logo em janeiro, o principal jogador do time, Falcao García, acabou rompendo o ligamento anterior cruzado do joelho esquerdo, em uma partida pelo Mônaco (FRA). Esperado até o último instante pela comissão técnica, o centroavante não se recuperou a tempo e teve de ser cortado.

Além da ausência do craque, os colombianos acabaram sofendo com outros desfalques. O zagueiro Perea, do Cruz Azul (MEX), o  meia-atacante Macnelly Torres, do Al Shabab (SAU), o volante Valencia, do Fluminense, e o atacante Muriel, da Udinese (ITA), também tiveram de ser cortados por causa de problemas físicos.


Os colombianos Perea, Macnelly Torres, Valencia e Muriel estão fora da Copa do Mundo (Foto: Montagem/Divulgação)

Apesar dos diversos empecilhos, Valencia, que não foi convocado por causa de uma lesão na coxa esquerda, acredita que a seleção colombiana pode, sim, surpreender na competição.

- Esse é o objetivo: chegar ao mais longe possível. Temos um grupo muito forte, um excelente treinador. Estamos muito confiantes. Acho que podemos fazer história - disse o volante do Fluminense.

Com a intenção de superar a expectativa de seus torcedores, a Colômbia tentará, pelo menos, alcançar a sua melhor campanha, quando chegou às oitavas de final na Copa do Mundo de 1990.

Antes de 2014, a última participação dos colombianos havia sido em 1998, quando foram eliminados na primeira fase na Copa realizada na França.