icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
13/11/2013
11:56

Campeão e melhor jogador da Libertadores de 1999, titular na campanha do título da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 2002, um dos maiores ídolos da história do Palmeiras... inegavelmente, o currículo de Marcos é invejável, mas o ex-goleiro não ficou satisfeito. Segundo ele, a falta de um Mundial pelo Verdão e o gol de cabeça que também não veio estão na lista de frustrações de sua carreira de 20 anos no clube.

- O Mundial Interclubes faltou. Passei a carreira inteira esperando voltar para Tóquio para reverter a situação, mas não tive oportunidade. Teve a chance na Seleção e foi legal. Agora todo mundo ganhou o Mundial e ficou faltando o nosso - lamentou o ex-camisa 12.

Depois da conquista da América em 1999, o goleiro foi com o Palmeiras para o Japão disputar o Mundial e ele ficou marcado ao sair errado no cruzamento que deu o gol ao United, na vitória dos ingleses por 1 a 0. No seu documentário, lançado nessa terça, o então técnico Luiz Felipe Scolari, e o meia Alex, que estava naquele time, repartiram a responsabilidade do ídolo com o restante daquela equipe.

Além disto, o fato de não ter feito seu gol de cabeça o fez lamentar. Em 2011, durante goleada sobre o Avaí, Marcos foi convocado por torcida e jogadores a bater um pênalti para fazer seu primeiro gol da carreira. Ele, porém, e contou que nunca foi sua intenção marcar em uma penalidade.

- Meu sonho não era fazer gol de pênalti, mas de cabeça. Só voltava depois com pacanda nas costas, o pessoal marca bem goleiro na área, porque sabem que é alto. Sem tirar méritos, pênalti bate e tem chance. Mas de cabeça é mais emocionante. No Palestra antigo, dei uma cabeçada na trave, o goleiro era até o Velloso. Sem nunca ter feito ia direto, imagina se tivesse feito, iria mais ainda para a área - brincou Marcos, que também gostaria de ter tido um pouco mais de cabeça fria nas entrevistas pós-jogo.

- Eu me arrependo de algumas entrevistas, mas se não tivesse feito não teria sido eu. Quando falava, criava problemas, mas dormia, porque guardar as coisas dá câncer. Não pode guardar mágoas (risos) - brincou.