icons.title signature.placeholder João Matheus Ferreira
09/11/2014
07:00

Terceiro entrevistado no especial do LANCE!Net com os candidatos à presidência do Vasco, Márcio Santos, da chapa "Vanguarda Vascaína", propõe uma mudança urgente na área financeira do clube. Basicamente, a ideia é enxugar boa parte das despesas atuais do Cruz-Maltino e, assim, conseguir uma reorganização considerável no setor econômico.

- Pretendemos implantar nos cem primeiros dias uma reorganização financeira e administrativa. Vamos enxugar despesas, fechar torneiras de desperdício e buscar novas fontes de renda. Tudo isso, junto, vai culminar na formação de uma equipe competitiva no futebol. Para tal, buscaremos a captação de R$ 60 milhões para que possamos ter tranquilidade na administração - disse o candidato.

Ao falar de futebol, Márcio Santos expõe claramente as ideias que tem. As duas principais são a manutenção do atual diretor executivo de futebol, Rodrigo Caetano, e a contratação do técnico Oswaldo de Oliveira, que já trabalhou no clube em 2000, mas saiu na véspera do título brasileiro por divergências com o presidente Eurico Miranda.

- Queremos a manutenção do Rodrigo Caetano e vamos fazer uma proposta para ter Oswaldo de Oliveira como técnico a médio e longo prazo. O elenco terá no máximo 35 jogadores, sendo um terço formado na nossa categoria de base - disse Márcio Santos.

Sócio desde 1990, Márcio Santos é diretor de divulgação e relações públicas do clube, mas como o cargo não é remunerado ele pode se candidatar à presidência do clube.

CHAPA QUER VOTOS DE NÃO RECADASTRADOS

Um dos pontos que mais têm gerado discussão às vésperas da eleição do Vasco é o recadastramento dos sócios. Duas listas foram liberadas pelo clube, uma com os associados que participaram do processo e outra com aqueles que não se recadastraram. Em tese, só poderia votar quem atualizou seus dados, mas o presidente da Assembleia Geral e do Conselho Deliberativo, Abílio Borges, deve liberar todos. Perguntado sobre o caso, Márcio Santos deixou claro que é a favor da votação de todo o quadro social do clube, mesmo que mais de sete mil não tenham se recadastrado.

- Somos a favor de que mesmo aqueles que não se recadastraram participem da eleição, pois fazem parte do quadro de sócios do clube - afirmou Márcio Santos.

Abílio deve definir até segunda-feira esta questão sobre os recadastrados.

BATE-BOLA - MÁRCIO SANTOS

Qual sua relação com o Vasco?
O Vasco é um amor à primeira vista para mim. Desde criança sempre fui apaixonado. A partir de 2004 atuei fortemente nas redes sociais discutindo os problemas do Vasco e iniciando uma fase de estudo das soluções. Participei da criação do projeto "Só Dá Vasco".

Quais os projetos para São Januário e outros patrimônios?
Sedes da Lagoa e Calabouço devem ser mais exploradas e transformá-las em autosustentáveis. O Calabouço, pela proximidade ao Aeroporto Santos Dumont, pensamos em um restaurante com vista panorâmica e espaço para Business Office. Em São Januário, a médio e longo prazo queremos implantar um projeto semelhante ao da Arena Independência, em Belo Horizonte, ampliando a capacidade.

Como vê este conturbado processo eleitoral do Vasco?
Processo eleitoral historicamente é complicado e complexo, ainda mais no Vasco. O adiamento deste ano foi fruto de um ato correto do então presidente da Assembleia Geral, Olavo Monteiro de Carvalho. Entendemos as razões pelos adiamentos e pelas liminares, mas abominamos as que foram feitas única e exclusivamente para marcar posição ou de forma meramente protocolar, pois acabaram sendo nocivas ao próprio Vasco.