icons.title signature.placeholder Caio Carrieri
16/12/2013
07:14

Márcio Araújo é multifacetado. Titular absoluto do Palmeiras desde que foi contratado em 2010, sofre rejeição dos torcedores. Adorado por Gilson Kleina, é uma das prioridades do treinador no elenco para 2014, mas seu contrato termina no fim deste mês de dezembro.

O volante está negociando sua renovação para o ano do centenário e diz que até aceita reduzir o salário para permanecer, desde que possa ganhar mais por produtividade e tenha um vínculo longo, de ao menos dois anos.

Cláudio Guadagno, ex-lateral do Verdão, é seu empresário e conversa com a diretoria – já fez uma contraproposta à oferta da diretoria. Nesta entrevista ao L!Net, o jogador polivalente fala sobre o que planeja para sua carreira em 2014.

LANCE!Net: O que você sabe da negociações para renovar seu contrato?
Márcio Araújo: Cheguei de viagem na sexta-feira e estou aguardando o meu procurador, Cláudio Guadagno, se reunir de novo com a diretoria para ter uma definição. O Palmeiras já fez uma proposta e o Cláudio também fez a nossa. Então agora eles devem se reunir de novo em breve.
 
Gostaria de permanecer?
Sempre disse que quero ficar. Estou há quase quatro anos no clube e me sinto em casa. Já conheço todos os meus companheiros, o ambiente da Academia e não tenho que me adaptar a nada, o que seria diferente se eu tivesse de mudar de clube. Minha família está adaptada a São Paulo e eu gosto demais do Palmeiras e de morar em São Paulo.

Paulo Nobre tem utilizado a política de bonificações para contratar e renovar. Produtividade não é o seu problema, não é? Nunca se lesiona.
É uma nova filosofia que eles estão tentando implementar e às vezes não é bem vista, por ser uma novidade. Mas acho que isso vale a pena pelo o que eu entendi de tudo isso.

Aceitaria esse novo contrato por produtividade, então?
Aceitaria tranquilamente.

Toparia até diminuir o salário fixo, como Gilson Kleina fez?
Dependendo da proposta, com certeza. Com esses novos contratos é possível ganhar até mais.

Gostaria de renovar por mais quanto tempo?
Quero continuar jogando em alto nível pelo Palmeiras. Já tenho 29 anos, e com a experiência o jogador vai evoluir muito mais. O contrato tem de ser de dois anos para cima. Um ano talvez não seja o ideal. Eles estão conversando e eu aguardo.

Isaac, seu filho pequeno, está sempre nos treinos e jogos com a camisa do Palmeiras. Ele fica curioso para saber se você fica ou não?
Ele pergunta direto, quer saber. E os amiguinhos dele também perguntam. Essa parte também pesa muito (para querer prorrogar o acordo com o Palmeiras), porque ele tem muitos amiguinhos na escola.

Isaac, filho de Araújo, pressiona o pai por renovação (FOTO: Acervo Pessoal)

E qual é a sua resposta?
Falo que o papai está aguardando e que as coisas vão se resolver.

A sua permanência no clube seria um presente de Natal para o Isaac?
Com certeza ele ficaria muito feliz, porque ele já é um torcedor do Palmeiras. Ele gosta de ir ao vestiário, se diverte muito nas arquibancadas e seria algo muito bacana para ele.

Kleina disse para a diretoria que você é prioridade para 2014. Você se sente importante no elenco?
Sobre o Gilson eu não tenho muito o que falar, porque ele é assim com todo mundo. Tem um carinho enorme pelo grupo. Mesmo tendo bastante jogadores em determinado momento desse ano ele deu atenção e oportunidade para todo mundo. Não tenho absolutamente nada para reclamar dele, só agradecer por tudo o que ele fez por nós esse ano.

Paulo Nobre disse em entrevistas recentes que Marcelo Bielsa teceu elogios a você quando tentaram contratá-lo. Você sabia disso?
Eu não sabia disso e fico muito feliz por saber que um grande treinador como ele falou isso de mim. Eu sempre faço muito bem meu trabalho dentro de campo para ser valorizado e reconhecido.

A diretoria tem negociado por Bruno César, Elano, Lúcio. Você aprovaria esses nomes?
Claro que torço para o Palmeiras fazer grandes contratações. O Palmeiras é muito grande, a pressão existe, mas se os títulos acontecerem no ano que vem, a comemoração vai ser muito grande também. É isso que nós queremos, marcar o nosso nome na história de um clube importante. Então vale a pena contratar jogadores de qualidade.

Se você jogar ao menos mais um ano no Palmeiras e mantiver a média de jogos, ultrapassará o número de partidas de César Sampaio, Leivinha, Julinho Botelho entre outros. Pensava nisso em 2010, ao chegar?
Sinceramente eu não planejava nada com relação a isso. Queria me firmar mesmo, agradar à torcida, aos treinadores, fazer boas temporadas. Mas aí os anos foram se passando, completei mais de 200 jogos com a camisa do Palmeiras e cheguei nesses números, mesmo sem planejar.

E agora você tem uma meta de chegar a 300 e até 400 jogos?
Minha primeira meta é renovar o contrato (risos). Espero começar bem no centenário e que seja um ano de muitas conquistas para o clube.

Jogar com Eguren, que virou titular no fim da Série B e tem características de marcação no meio de campo, favorece o seu futebol?
Com certeza, porque tenho mais liberdade para jogar. O Gilson até coloca isso, para eu sair para o ataque só na boa quando jogo mais na marcação. E com o Eguren eu tenho mais liberdade para subir.

Muitos torcedores brincam nas redes sociais sobre a sua imunidade às lesões. Você acompanha? Gosta desse tipo de abordagem?
Fico sabendo pelos outros, porque não acompanho e não vejo nada. Não tenho Twitter e Facebook. Mas acho isso importante. Brincadeiras são sempre saudáveis. Quero continuar fazendo o maior número de jogos e ajudando o Palmeiras em campo.