icons.title signature.placeholder Fábio Aleixo
04/11/2013
10:03

Mineiros e compadres de longa data, Bruno Soares e Marcelo Melo terão a missão de representar o Brasil nas Finais da ATP, em Londres, após 12 anos sem a presença de um jogador do país. O último a participar da competição havia sido Gustavo Kuerten, em 2001, em Sydney (AUS).

Em duplas, o jejum brasileiro era ainda maior. Em 1983, Cássio Motta e Carlos Alberto Kirmayr disputaram a competição em Nova York (EUA), quando foram eliminados logo na estreia. Em fase ainda embrionária, o torneio reunia apenas as quatro melhores parcerias da temporada em partidas eliminatórios. Atualmente, são oito, com quatro em cada chave.

Para ressaltar a presença em Londres, tanto Melo, quanto Soares iniciaram uma campanha em seus perfis no Twitter. Para interagir com os torcedores, os jogadores criaram a hastag #brasilnasduplas.

Hoje, no primeiro dia da competição, os brasileiros estão de folga.

Soares e o austríaco Alexander Peya, vice-campeões do Masters 1.000 de Paris  ontem (veja mais abaixo), só chegaram a Londres de noite. Amanhã, às 10h (de Brasília) estreiam contra Leander Paes (IND)/Radek Stepanek (RTC).

Já Melo e seu parceiro, o croata Ivan Dodig, treinaram na noite de ontem na Arena O2, mas só entrarão em quadra para valer às 16h de amanhã, contra os  irmãos gêmeos americanos Mike e Bob Bryan, favoritos para ficar com a taça em Londres.


– Disputar este torneio será mais um sonho realizado. Sempre temos várias metas e sonhos durante a carreira. Esse com certeza é um dos principais – afirmou Melo, campeão do Masters 1.000 de Xangai (CHN) há três semanas ao lado de Dodig.

– Desde que comecei a jogar duplas, sempre coloquei este torneio como um objetivo. Ele é difrente de todos, porque você precisa conquistar a sua classificação, precisa estar entre os melhores – disse Soares, que tem seis títulos na atual temporada, sendo cinco jogando com Peya.

Como estão em grupos diferentes (veja abaixo), um encontro entre os duplistas brasileiros só é possível de acontecer na semifinal ou na final.

– Seria muito bacana ter um brasileiro jogando contra o outro, mesmo porque é muito to difícil de acontecer de termos dois nas Finais da ATP – analisou Soares.

– Estamos felizes por ter dois brasileiros aqui – disse Melo, que atuou ao lado de Soares por dois anos, em 2010 e 2011.

A afirmação dos brasileiros no circuito da ATP com seus parceiros se deu de forma muito rápida. Soares e Peya começaram a jogar juntos em agosto de 2012 e formam atualmente  a segunda melhor parceria de 2013. Melo e Dodig dividiram a quadra pela primeira vez em 2011, mas foi neste ano que consolidaram a dupla.

*O repórter viaja a convite da ATP