icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
10/07/2013
11:29

O ex-presidente do Bahia, Marcelo Guimarães Filho emitiu, na manhã desta quarta-feira, uma nota à imprensa (veja abaixo) afirmando aceitar a decisão judicial de nomear um interventor para o clube. Na última terça, a Justiça da Bahia afastou Guimarães Filho do cargo e nomeou o advogado Carlos Rátis como interventor para apurar possíveis fraudes na gestão do ex-cartola tricolor e convocar novas eleições.

O processo inicial sobre a intervenção foi aberto no fim de 2011, às vésperas da reeleição de Guimarães Filho. Na ocasião, Jorge Maia, ex-conselheiro do clube, denunciou a gestão de Marcelo e afirmou que ele e outros membros da oposição teriam sido expulsos da eleição, que teria contado também com "eleitores fantasma". Em março do ano passado, Marcelo chegou a ser afastado do cargo, e o próprio Carlos Rátis comandou o Bahia por três dias - tempo hábil para a defesa do agora destituído Guimarães Filho recorrer.

Confira a nota oficial:

Caros torcedores,

Como todos sabem, hoje o Tribunal de Justiça nomeou um interventor para o clube. Aceito a decisão judicial com tranquilidade e espero que todo o processo transcorra da melhor maneira possível. Coloco-me totalmente à disposição do gestor transitório para quaisquer esclarecimentos que ele julgue necessários. Recomendei a mesma atitude colaborativa aos diretores e funcionários, mesmo àqueles que foram afastados. Afinal, o que realmente importa é o sucesso do Bahia.

Atenciosamente,

Marcelo Guimarães Filho.


O ex-presidente do Bahia, Marcelo Guimarães Filho emitiu, na manhã desta quarta-feira, uma nota à imprensa (veja abaixo) afirmando aceitar a decisão judicial de nomear um interventor para o clube. Na última terça, a Justiça da Bahia afastou Guimarães Filho do cargo e nomeou o advogado Carlos Rátis como interventor para apurar possíveis fraudes na gestão do ex-cartola tricolor e convocar novas eleições.

O processo inicial sobre a intervenção foi aberto no fim de 2011, às vésperas da reeleição de Guimarães Filho. Na ocasião, Jorge Maia, ex-conselheiro do clube, denunciou a gestão de Marcelo e afirmou que ele e outros membros da oposição teriam sido expulsos da eleição, que teria contado também com "eleitores fantasma". Em março do ano passado, Marcelo chegou a ser afastado do cargo, e o próprio Carlos Rátis comandou o Bahia por três dias - tempo hábil para a defesa do agora destituído Guimarães Filho recorrer.

Confira a nota oficial:

Caros torcedores,

Como todos sabem, hoje o Tribunal de Justiça nomeou um interventor para o clube. Aceito a decisão judicial com tranquilidade e espero que todo o processo transcorra da melhor maneira possível. Coloco-me totalmente à disposição do gestor transitório para quaisquer esclarecimentos que ele julgue necessários. Recomendei a mesma atitude colaborativa aos diretores e funcionários, mesmo àqueles que foram afastados. Afinal, o que realmente importa é o sucesso do Bahia.

Atenciosamente,

Marcelo Guimarães Filho.