icons.title signature.placeholder Bernardo Cruz e Guilherme Cardoso
01/02/2015
07:29

É comum no futebol utilizar o seguinte clichê: "Todo bom time começa por um bom goleiro". No handebol, tal frase batida vai muito além da teoria. E no Mundial masculino de handebol, que acontece em Doha (QAT), a prática mostra que esta posição merece um status de artista principal, maior até que a dos artilheiros por exemplo. Thierry Omeyer, da França, e Danijel Saric, bósnio natualizado qatari, são a melhor personificação desta análise.

Os dois jogadores tem muito em comum. Ambos são experientes (Omeyer tem 38 anos, enquanto Saric tem 37), foram eleitos os melhores em quadra nas semifinais e foram fundamentais, portanto, para que França e Qatar se encontrassem na final deste domingo, na Lusail Arena, para decidir quem ficará com o título mundial em 2015.

Omeyer pode ser considerado uma referência na posição e no esporte. No currículo do jogador, duas melhadas de ouro olímpicas (Pequim-2008 e Londres-2012) e três títulos europeus. Além disso, dos quatro títulos mundiais da França, o jogador participou de três conquistas, podendo chegar a quarta neste domingo. Após a vitória sobre a Espanha, o jogador não escondeu sua empolgação para a decisão.

- Eu gosto de estar em jogos decisivos. Apesar das conquistas que tenho na carreira, ainda tenho apetite por novos troféus. Quando eu terminar minha carreira terei muito tempo para olhar para eles. Não gosto de perder. A única pessoa que eu permito que me supere é minha filha, quando jogamos cartas - resumiu.

Já Danijel Saric vive o melhor momento da carreira. Apesar de ter importantes conquistas em clubes europeus, como pelo Barcelona (o atual), o goleiro ainda busca o primeiro título defendendo uma seleção nacional. E suas atuações decisivas (foi eleito o melhor jogador de grande parte das partidas qataris) ao longo do Mundial podem ser fundamentais para o Qatar escrever mais um capítulo na épica campanha dentro de casa. E fizeram dele um ídolo local.

- Vivo o meu melhor momento. Acredito que a equipe está pronta para encarar qualquer desafio. Este time merece ser o primeiro país da Ásia e não europeu a chegar até uma decisão de Mundial - declarou.

Independente do resultado final, a decisão de quem vencerá a partida entre França e Qatar vão passar, certamente, pelas mãos de Thierry Omeyer e Danijel Saric.

*Os repórteres viajam a convite do Mundial masculino de handebol