icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
24/07/2014
00:53


O Atlético-MG mostrou novamente sua força no Mineirão. Ancorado pelo apoio dos torcedores, a equipe de Levir Culpi sofreu, mas venceu na prorrogação o Lanús por 4 a 3, já na madrugada desta quinta-feira, e conquistou a Recopa Sul-Americana. No tempo normal, o time argentino surpreendeu e venceu por 3 a 2. No tempo extra, o Galo marcou duas vezes e somou 5 a 3 no agregado dos dois jogos - havia vencido por 1 a 0 na Argentina.

Depois de exatamente um ano, a torcida atleticana soltou o grito e festejou novamente um título internacional em casa, o quarto na história do clube - já havia faturado 2 Conmebol (1992 e 1997) e a Libertadores-2013. O destino quis assim.

A equipe de Levir Culpi balançou as redes com Diego Tardelli, Maicosuel, Luan e Ayala (contra). Ayala, Santiago Silva e Acosta descontaram para o Lanús.

JOGO COMEÇA MOVIMENTADO

O jogo mal começou e o Atlético mostrou que o Mineirão também pode ser seu Independência. Com pouco mais de cinco minutos, pênalti para o time mineiro. Contrariando o que seria a lógica, a torcida não viu Ronaldinho Gaúcho partir para a bola, mas assistiu Diego Tardelli marcar seu 100º gol com a camisa alvinegra. Liderança atleticana que esquentou ainda mais o Gigante da Pampulha, mas que esfriou um pouco após o vacilo do sistema defensivo e o gol de Ayala. Em boa trama do time argentino, o meia teve liberdade para entrar na área e bater forte para empatar a partida.



O gol de empate animou os argentinos, que aumentaram a posse de bola e exploraram bastante as jogadas pela diagonal, buscando principalmente Santiago Silva dentro da área. A proposta pouco dava campo ao time da casa, deixando o Atlético mais preso e sem conseguir ficar com o rebote.

Ainda antes de meia hora de jogo, o Galo já não pressionava como nos momentos iniciais, perdendo muito a posse de bola e demonstrando nervosismo em alguns lances de falta e passes errados. Aos 25 minutos, em mais uma bola alçada na área, a zaga deu bobeira, Victor salvou a finalização à meia altura, mas Santiago Silva pegou o rebote dentro da pequena área para virar o jogo.

LEIA MAIS:
> Mauro Beting: A história se repete como festa do Galo
> Bulla na rede: Os artilheiros centenários do Atlético-MG


          Diego Tardelli fez o primeiro gol do Galo no Mineirão (Foto: Ramon Bitencourt/LANCE!Press)

A virada argentina pareceu acordar um pouco o time de Levir. Ainda pecando defensivamente, o Atlético se mostrou mais disposto nas descidas ao ataque, embora sem perigo ao gol de Marchesín. Quando tudo parecia encaminhar para um intervalo em desvantagem, Marcos Rocha acertou o cruzamento pela direita, a zaga argentina não acertou o bote e Maicosuel empatou para o Galo. Ainda antes dos 45 minutos iniciais terminarem, o Galo quase marcaria o terceiro, em outro cruzamento, agora pela esquerda, de Emerson Conceição e cabeçada perigosa de Jô. Marchesín salvou.

NOVO BANHO DE ÁGUA FRIA

O panorama do jogo não mudou muito no segundo tempo. O Atlético assustou logo de início, em bom passe de Tardelli para Ronaldinho, que só não marcou por causa da boa cobertura do zagueiro argentino, salvando quase em cima da linha. Precisando vencer, o Lanús foi pra cima e não hesitou em jogar as bolas na área de Victor e experimentar o goleiro atleticano em chutes de fora da área.

Luan entrou na vaga de Ronaldinho e deu mais mobilidade ao esquema alvinegro. Tardelli foi deslocado mais para o meio e a equipe ganhou mais corpo, seja nas escapulidas de Luan pelos flancos ou nas finalizações centrais do camisa 9. Levir também promoveu a entrada de Guilherme no lugar de Maicosuel, procurando melhorar a qualidade do passe e das bolas esticadas pelo chão. Em dois lances, o meia poderia colaborar mais uma vez com a vitória atleticana. Na primeira, errou no passe que serviria para Luan entrar na cara do gol. No segundo, tentou encobrir o goleiro na entrada da área, mas pegou mal demais na bola.


     Ronaldinho tem atuação discreta e deixa o campo na etapa final (Foto: Gil Leonardi/LANCE!Press)

Acoado, o Atlético passou a se defender nos minutos finais, gerando momentos de tensão para a torcida. Os quatro minutos de acréscimos demoraram a passar e não terminaram nada bem. Aos 48 minutos, Acosta marcou o gol que deu esperança ao time de Buenos Aires e decretou a prorrogação no Gigante da Pampulha.

SORTE E FESTA NA PRORROGAÇÃO

A prorrogação começou com o Galo mais pragmático e a torcida temendo o pior. Em um dos poucos lances de ataque, no entanto, Luan balançou as redes em uma jogada quase perdida. O "doidinho" recebeu de Guilherme, buscou o cruzamento para Jô dentro da área e contou com o desvio da zaga para recolocar o Atlético em igualdade e novamente com a mão na taça.

Diferente do segundo tempo, não foi preciso contar os minutos para acabar o jogo. Faltando menos de dez minutos para o fim, uma bola atrasada de cabeça enganou o goleiro Marchesín e fez a festa da Massa Atleticana. Nova virada do Galo e início da festa pelo título inédito da Recopa Sul-Americana.


FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG 4 X 3 LANÚS

Local: Minerão, em Belo Horizonte (MG)
Data/Horário: 23/07/2014 – às 22h
Árbitro: Roberto Silvera (URU)
Assistentes: Miguel Nievas (URU) e Nicolas Taran (URU)
Público/Renda: 54.786 pagantes/R$ 5.732.930,00

Cartões amarelos: Pierre, Réver (CAM), Ayala, Somoza, Acosta, González, Braghieri. Gómez (LAN)
Cartão vermelho: Acosta (LAN)

GOLS: Tardelli, 6’/1ºT (1-0); Ayala 8’/1ºT (1-1); Santiago Silva, 25’/1ºT (1-2); Maicosuel, 37’/1ºT (2-2); Acosta, 48’/2ºT (2-3); Luan, 12’1°TP (3-3)

ATLÉTICO-MG: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Réver e Emerson Conceição; Josué e Leandro Donizete; Ronaldinho (Luan, 19/2ºT), Maicosuel (Guilherme, 31’/2ºT), Tardelli (Dátolo, 43’/2ºT); Jô. Técnico: Levir Culpi.

LANÚS-ARG: Marchesín, Araujo (Melano, 29’/2ºT), Gómez (Benítez, intervalo prorrogação), Braghieri e Velázquez; González, Somoza e Ortíz (Nicolás Pasquini, 15’/1ºTP); Ayala, Acosta e Silva. Técnico: Guillermo Barros Schelotto.