icons.title signature.placeholder Carlos Antunes
23/07/2014
14:11

Na última quarta-feira, o UFC: Cerrone x Miller marcou estreias para Lucas Mineiro. Apesar de já ter somado duas vitórias na organização, o lutador fez sua primeira apresentação nos penas, sua categoria de origem e foi com o pé direito, com nocaute sobre Alex White, no terceiro round. Além disso, o duelo marcou a primeira apresentação do brasileiro pela franquia fora do Brasil.

Em entrevista ao LANCE!Net, o lutador comentou a experiência de finalmente poder lutar na divisão em que iniciou no MMA. Segundo o especialista em muay thai, essa vivência em outras categorias foi fundamental para seu crescimento como atleta.

- Estava esperando há um ano no UFC por essa chance. Tenho 20 lutas nos penas fora do UFC e queria muito essa oportunidade. Entrei no Ultimate nos leves, depois fui para os galos e agora estou onde me sinto confortável. Esse tempo que não lutei na minha categoria levo como aprendizado, cresci bastante, aprendi muita coisa. Para chegar até o topo, tem que sofrer (risos) - disse, em conversa por telefone ao L!Net.

As três primeiras lutas de Lucas no UFC foram todos no Brasil, mas faltava a experiência de atuar fora. No entanto, o lutador teria que passar por uma situação que não tem afinidade: andar de avião.

- Tenho muito medo de avião. Na verdade, tenho pavor (risos). Então foi agoniante demais ficar dentro do avião por 11 horas seguidas. Mas lutar fora é outra coisa, eles veem o MMA de uma maneira difente e foi bem legal. Valeu a pena passar por essa experiência. Depois do que passei com essas lesões, lavei minha alma - revelou.

Em três vitórias pelo Ultimate, Lucas Mineiro já soma duas premiações por desempenho (FOTO: UFC)


Confira o bate papo:
Em três vitórias no UFC, já recebeu dois prêmios da noite. Isso te dá uma confiança a mais?
Isso me dá muita confiança, mas não é algo que penso sempre. O Diego Lima (treinador e empresário) sempre me diz que isso é resultado de um trabalho bem feito. É um reconhecimento do UFC pelo o que faço. Vou andar sempre para frente, dar meu show, como todo mundo gosta e buscar sempre a vitória.

Esperava um sucesso tão rápido assim no UFC?
Sinceramente, não (risos). Comecei no mundo das lutas há quatro anos. Fiz muay thai primeiro e tudo aconteceu muito rápido na minha vida. Estou no caminho certo, lutando, fazendo o que mais gosto. Infelizmente tive algumas lesões, mas elas não me impediram de seguir o caminho certo. Estou realizado.

Já tem previsão de quando quer voltar?
Na minha última luta não me machuquei e já voltei a treinar com tudo. Quero lutar mais duas vezes neste ano. Vão ter eventos em Brasília e Rio de Janeiro e seria uma ótima poder voltar a atuar em casa. Mas sou funcionário do UFC e luto onde me colocarem.

Tem alguém especial na categoria que você mire uma luta?
Não tenho ninguém. Sou um atleta novo, não tenho pressa. Sei que a galera que está no top 10 é experiente, mas coloquei na cabeça que quero fazer parte disso ainda este ano. Contra quem eles me colocarem, vou entrar para somar mais uma vitória e seguir no caminho certo do meu objetivo.