icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
29/04/2014
08:30

O desempenho de Ronaldinho Gaúcho, Diego Tardelli e outros companheiros do time atleticano segue rendendo bem abaixo do esperado em 2014. Na primeira partida do Galo sob o comando de Levir Culpi, os dois atletas acabaram substituídos no segundo tempo, reflexo que o futebol dentro de campo ainda segue em baixa. Para as próximas partidas do ano (principalmente a de quinta-feira, contra o Nacional de Medellín), no entanto, o novo técnico alvinegro promete linha dura no elenco. Quem não estiver correspondendo, vai para o banco de reservas.

- É isso, tem que ficar num número alto de aproveitamento. Se não, não fica no time. Não importa se é o Ronaldinho ou menino do júnior. O jogador tem que ter um número considerável de números favoráveis para se manter no time, e isso serve para qualquer um - falou Levir Culpi, referindo-se à conversa que teve com os jogadores em seus primeiros dias de Atlético-MG.

Dentre as características de Levir Culpi, o treinador se destaca por não se importar com jogadores 'medalhões' no elenco. A substituição de R10 aos 20 minutos do segundo tempo de jogo não era vista desde a final da Libertadores de 2013, no Paraguai, quando Cuca substituiu o craque aos 18 minutos do segundo tempo. Com Paulo Autuori, mesmo atuando mal, Ronaldinho passou a maioria dos jogos em campo nos 90 minutos, a exceção da 'partida de despedida' do treinador, que sacou o camisa 10 já no final de jogo contra o Nacional de Medellín, na semana passada.

- Tirar o Ronaldinho para mim é como tirar qualquer jogador. Fiz uma palestra rápida com eles e falei que o jogador é número. Quantos chutes, passes, gols, assistências... O melhor jogador está dentro da estatística. Quem acompanha o basquete americano, por exemplo, sabe que o melhor jogador deles é o que faz mais cesta, dá mais assistência - completou Lecir Culpi.