icons.title signature.placeholder Felipe Bolguese e Renato Rodrigues
11/03/2014
07:30

O que era trabalhado pelo Corinthians com mais calma até o último domingo, agora tende a ser ainda mais intenso nos próximos dias. Com a lesão de Guerrero na derrota por 3 a 2 para o São Paulo, comissão técnica e diretoria de futebol agora precisam, mais do que nunca, achar um centroavante no mercado.

E a procura por este jogador é antiga nos bastidores do Timão. Ainda com Tite, no ano passado, era consenso entre todos no CT Joaquim Grava que o peruano precisa de um reserva não só para situações como essa, mas também fomentar a briga para ficar entre os titulares.

A dificuldade tem sido enorme. Tanto que o Brasil é um mercado quase que descartado. Com poucas opções viáveis por aqui, a tendência é que chegue um atleta de fora, seja brasileiro ou mesmo gringo. A atual edição da Libertadores tem sido a grande vitrine de observação por parte dos corintianos e alguns nomes agradam a cúpula. Mas é aí que entram os outros problemas...

Quando o atleta agrada, são nos valores que o Timão esbarra. Apesar de o patrocínio com a Caixa ter sido renovado e as dívidas com alguns jogadores sanadas, o clube ainda não pode investir altos valores em uma só contratação. E é neste ponto que as negociações ficam mais difíceis.

O receio de errar na pedida também é outro obstáculo. O próprio Mano Menezes já deixou claro que não adianta gastar um caminhão de dinheiro em um nome que não resolve e depois não ter montantes menores para confirmar uma contratação. Por isso o cuidado na hora de observar cada “candidato” antes de selar qualquer tipo de transferência.

Membros da comissão técnica chegaram a viajar nas últimas semanas em busca deste jogador. O destino foram países da América do Sul, onde o preço dos direitos econômicos e os salários possuem um padrão mais baixo que a Europa e viável para a atual situação do Corinthians.

O certo é que para o Campeonato Paulista ninguém chegará. Com as inscrições fechadas, o novo centroavante seria opção apenas para a Copa do Brasil e o Brasileirão. A promessa é que, durante a pausa para a Copa, em junho, o Timão traga mais nomes além do tão procurado “9”.