icons.title signature.placeholder Guilherme Cardoso
icons.title signature.placeholder Guilherme Cardoso
25/07/2013
07:50

O Brasil começou bem o sexto dia de disputa do Mundial de Atletismo Paralímpico, em Lyon (FRA). Logo na manhã desta quinta-feira, Leonardo Amâncio ficou com a medalha de bronze no lançamento de peso na classe F58 (para atletas em cadeiras de rodas com sequelas de poliomielite, lesões medulares e amputações), a alcançar a marca de 14m65.

A primeira colocação foi do russo Alexey Ashapatov, com 15m41. Enquanto isso, o polonês Janusz Rokicki levou a prata, com 14m98.

- Estou muito feliz. Não sei nem explicar. Deixei algumas coisas da minha vida no Nordeste para poder treinar. Espero voltar para Pernambuco por cima - vibrou o atleta.

Para ter melhor condições de treinamento, Amâncio trocou Recife pelo Rio de Janeiro no início do ano. Sua esposa e seus dois filhos ainda moram na capital pernambucana.

A delegação brasileira segue com um bom desempenho no Mundial. Até o momento, foram nove medalhas de ouro, cinco de prata e outras 11 de bronze.

O Brasil começou bem o sexto dia de disputa do Mundial de Atletismo Paralímpico, em Lyon (FRA). Logo na manhã desta quinta-feira, Leonardo Amâncio ficou com a medalha de bronze no lançamento de peso na classe F58 (para atletas em cadeiras de rodas com sequelas de poliomielite, lesões medulares e amputações), a alcançar a marca de 14m65.

A primeira colocação foi do russo Alexey Ashapatov, com 15m41. Enquanto isso, o polonês Janusz Rokicki levou a prata, com 14m98.

- Estou muito feliz. Não sei nem explicar. Deixei algumas coisas da minha vida no Nordeste para poder treinar. Espero voltar para Pernambuco por cima - vibrou o atleta.

Para ter melhor condições de treinamento, Amâncio trocou Recife pelo Rio de Janeiro no início do ano. Sua esposa e seus dois filhos ainda moram na capital pernambucana.

A delegação brasileira segue com um bom desempenho no Mundial. Até o momento, foram nove medalhas de ouro, cinco de prata e outras 11 de bronze.