icons.title signature.placeholder Thiago Ferri
29/06/2014
08:10

Nos dois jogos-treinos comandados por Ricardo Gareca em Atibaia (SP), o Palmeiras atuou com Felipe Menezes escalado como titular na meia. No primeiro, teve bela participação, e marcou três vezes; ontem, contra o Juventus, só saiu por conta de uma pancada recebida na etapa final.

Com as chances sob o comando do técnico Ricardo Gareca, o camisa 18 tenta acabar com o estigma de ser apenas um “leão de treino”. Na Academia de Futebol, já fez gol do meio de campo, teve bons desempenhos em jogos-treino, mas em partidas oficiais são apenas dois gols em 28 jogos e a larga desconfiança da torcida palmeirense.

Mesmo na Série B, nunca foi um protagonista. Demorou 17 jogos para marcar o primeiro gol (3 a 0 contra o Boa, partida que garantiu o título da Série B), e 18 para dar suas primeiras assistências.

Gilson Kleina já cobrava do meia maior protagonismo, mas o ex-técnico não conseguiu ver isto do jogador. Tanto que passou a usá-lo menos em 2014: entrou em cinco partidas do Campeonato Paulista.

Com a saída do ex-comandante, voltou a ser lembrado graças a Alberto Valentim. A lesão de Mendieta deu ao jogador a chance de ser titular nos dois últimos jogos antes da pausa para a Copa do Mundo, e o meia de 26 anos não foi mal.

Aproveitando-se que o paraguaio ainda se recupera após torcer o tornozelo, Felipe vai por enquanto desbancando rivais como Bernardo, contratado no fim da passagem de Kleina. A escolha do 4-4-2 com El Flaco também lhe deu vantagem: com três atacantes, Marquinhos Gabriel jogava.

Serão mais quase 20 dias de treinos até o retorno do Palmeiras ao Brasileiro. Em jogo, a vaga de Valdivia, que deseja e deve deixar o time após a Copa. É a chance para o meia mostrar ao técnico e torcida que pode ser uma opção confiável.