icons.title signature.placeholder Matheus Babo
06/11/2013
13:48

Assim como a maioria dos 31 jogadores que estão em Atibaia com a delegação do Fluminense, o zagueiro Leandro Euzébio também esteve na cidade durante a pré-temporada do clube, em janeiro. De lá para cá, muita coisa mudou. Aquele time que tinha conquistado o Brasil há um mês, hoje luta contra o rebaixamento. O jogador culpou a falta de sequência de um mesmo time para a queda de rendimento.

- Dificil de explicar. Desde a época do Abel, não temos um time certo em campo. É jogador lesionado, suspenso, toda hora o time muda. Isso dificulta bastante. Nós ficamos chateados, porque o time tem condições de brigar na parte de cima da tabela, mas estamos com a cabeça em pé, levantada, para poder sair dessa situação - disse.

Leandro também é um dos jogadores mais perseguidos pela torcida do Tricolor. Sempre que o time é derrotado, o camisa 4 é citado em protestos nas arquibancadas e na internet. Euzébio diz que isso é um direito do torcedor, mas ressalta que confia no apoio da galera para estes seis últimos jogos no Campeonato Brasileiro.

- O torcedor tem todo o direito de criticar, protestar e fazer o que ele quiser. Quando a gente entra em campo, eles têm que apoiar os 90 minutos. Se não der certo, podem criticar quem acham que tem que criticar. O fundamental hoje é o apoio. Aquilo que eles fizeram de ir lá no campo e conversar conosco mostra que eles estão com o time. Só nos faz ter mais vontade de tirar o Fluminense dessa situação - explicou.

O Fluminense volta a treinar na tarde desta quarta-feira em Atibaia. O técnico Vanderlei Luxemburgo optou por fechar o treinamento para a imprensa. A tendência é que o treinador libere os minutos finais da atividade.