icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
04/02/2015
14:51

Em crise esportiva, já que ocupa a última colocação do Campeonato Italiano, o Parma pode passar por um novo processo de falência, que seria o segundo em apenas 11 anos. O clube foi comprado no fim ano passado por um grupo da Albânia, mas ao que parece, os investimentos ainda não estão acontecendo. De acordo com o "Calciomercato", a bancarrota é uma possibilidade real.

A dívida mais emergencial é com os jogadores. No total, os débitos chegam na casa dos 20 milhões de euros (R$ 62 milhões). O prazo estabelecido é o dia 16 de fevereiro. Se o clube não conseguir quitar esse valor, o caso pode parar no tribunal. A crise já chegou ao ponto de a empresa de água que abastece a região de Parma cortar o fornecimento ao clube.

O reflexo da crise já chegou no time. Cassano conseguiu a rescisão de contrato, enquanto Paletta foi vendido para o Milan. Wells saiu rumo ao Chievo pelo valor simbólico de apenas 100 euros (R$ 311). Roberto Giuli, acionista minoritário do Parma, reclamou dos albaneses.

- Se a empresa não pode fazer isso (investir no clube), seria melhor não entrar. Estamos considerando medidas legais para proteger o nosso investimento. Eu conheci Rezart Taçi (dono da empresa majoritária no clube) em Milão, e ele disse que tinha grandes planos para o Parma, mas entendi muito pouco - disse a Teleducato.

Parma é lanterna no Calcio (Foto: Filippo Monteforte/AFP)

O Parma é um clube antigo na Itália, mas nunca conquistou muitos títulos. Até a década de 1990, quando teve uma forte parceria com a Parmalat, a mesma que investiu no Palmeiras na mesma época. O time teve astros como Buffon, Cannavaro, Fernando Couto, Zola, Asprilla, Brolin, Crespo, Thuram, Verón, Taffarel e tantos outros. Levou três vezes a Copa da Itália, e foi vice-campeão italiano em 1996/97. Além de duas Copas Uefa (atual Liga Europa).

Porém a companhia faliu, e o investimento no clube acabou, assim como aconteceu com o Palmeiras. Mas diferentemente do time paulista, o Parma não conseguiu se erguer, e se dissolveu em 2004. Meses depois reabriu e voltou para a elite. De lá para cá já caiu e voltou, e agora está na lanterna, e podendo voltar a passar por um processo de falência.