icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
23/03/2014
21:48

Em reabilitação nos Estados Unidos após sofrer grave acidente enquanto esquiava para os Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi-2014, Lais Souza falou sobre o processo de recuperação, a angústia e o medo de não recuperar seus movimentos do pescoço para baixo. A ex-ginasta tem apresentado avanços, mas seu futuro ainda é incerto.

- Dá um pouco de medo. Penso na solução do problema, no que posso fazer para melhorar, já que não posso mudar o que aconteceu. O pouco que eu tiver de movimento fará com que eu me mate pra consguir mover um músculo – disse em entrevista ao Fantástico, da TV Globo.

Tudo aconteceu no dia 27 de janeiro, quando Lais se preparava para disputar os Jogos de Inverno. Embora não houvesse testemunhas no local, a suspeita é de que ela tenha se chocado com uma árvore. Na Olimpíada, a ex-ginasta competiria no esqui estilo livre.

O acidente provocou deslocamento da terceira e da quarta vértebras e esmagou a medula, fazendo com que a atleta perdesse a sensibilidade do pescoço para baixo.

- Nosso técnico marcou um treino de esqui. Foi um momento em que eu estava em velocidade alta e dei uma freada. Depois, não lembro de nada. Tenho cenas, como a lembrança do meu pai me chamando ofegante. Lembro do helicóptero, do barulho, mas tudo em flashes. Depois, só lembro da UTI.

Lais contou que tem tido bons sinais na recuperação, como a vontade de urinar, algo que não era esperado tendo em vista o local da lesão. Em três semanas, voltou a respirar sem a ajuda de aparelhos.

- Tenho momentos de tristeza, encaro, choro. Nem sempre sou forte. Choro bastante. Isso dá energia. Pensar relfetir... é uma punhalada que você leva para continuar. Todo dia, quando deito na minha cama, eu peço: quero andar – afirmou Lais.