icons.title signature.placeholder Caio Carrieri e Fabricio Crepaldi
icons.title signature.placeholder Caio Carrieri e Fabricio Crepaldi
08/07/2013
08:03

Gilson Kleina prometeu que o Palmeiras que voltaria após a parada para a Copa das Confederações seria bem diferente daquele dos seis primeiros jogos. E a partida contra o Oeste, no sábado, mostrou que ele estava correto.

Não só pela goleada por 4 a 0, algo que o Verdão não conseguia há mais de um ano. Mas os números indicam que a equipe teve uma melhora considerável em alguns aspectos, sobretudo nos passes e finalizações certas. Se antes a média era de 300 toques acertados por partida, no sábado foram 510. Já os chutes com direção praticamente dobraram: passaram de 6,7 por confronto para 12.

Isso se deve, sobretudo, à boa atuação do meio de campo, comandado por Valdivia. O chamado “último passe” era uma preocupação de Kleina antes e, com a evolução, o Verdão teve diversas chances de gols.

Apesar da goleada sobre o Oeste, a expectativa é de melhora ainda mais evidente nos próximos confrontos. Isso porque reforços como Eguren e Alan Kardec, contratados para serem titulares, irão estrear, e Mendieta será mais utilizado. Isso, na visão do auxiliar Juninho, que comandou o time no sábado, deixará o Palmeiras ainda mais efetivo.

– Com o Valdivia e Mendieta, vira um time técnico, que toca a bola. Temos de mesclar, ser um time que toca a bola e ter quem marca, porque sem isso não chega a lugar nenhum. Tem de ter os operários que vão construir para os que têm a habilidade chegar na frente e marcar os gols – falou.

O preparador Fabiano Xhá também projeta evolução na condição física do elenco para a temporada.

– Podemos dizer que estamos retornando com o grupo todo em torno de 90%. Conseguimos baixar a carga para os jogadores e, em seguida, aumentar o nível de força, tentando deixar o grupo mais homogêneo, deixando um jogador mais próximo um do outro – declarou ele, ao LANCE!.

A primeira impressão deixada após a parada foi ótima. Agora, a tendência é melhorar ainda mais. Aos poucos o Verdão vai se acertando.


Para estrear

Alan Kardec
Já começou a treinar com o elenco, mas como estava de férias precisará de duas semanas para estrear.

Eguren
Estava em atividade, mas ainda precisará de cerca de dez dias para resolver pendências burocráticas.

Felipe Menezes
Mais um que estava em férias e pediu cerca de duas semanas de treinos antes de fazer a estreia.


Confira uma entrevista com Fabiano Xhá, preparador físico do Palmeiras:

Qual foi o tamanho da evolução física do time nesta parada?
Essa parada foi muito boa para nós, porque tivemos uma pré-temporada curta, com sequência de jogos um em cima do outro. Conseguimos voltar com o grupo recuperado e com a parte muscular dentro do que esperávamos para o início da competição. Foi importante.

Como fazer para manter esse bom nível até o fim do ano?
Entre os próximos três jogos teremos semanas cheias de treinamentos, com um ou dois trabalhos mais fortes durante a semana, e depois baixando a carga até o dia do jogo. Com jogos na terça e na sexta, fazemos apenas uma manutenção para os atletas aguentarem o maior nível possível de partidas, com grande intensidade durante o maior tempo do confronto.

O Valdivia se encaixa nesse nível físico do restante do elenco?
Ele está chegando ao patamar dos outros atletas. A única coisa mesmo é que ele está sem ritmo de jogo e isso ele só ganha jogando. Aos poucos ele vai entrando nos jogos, sendo utilizado dentro daquilo que o Kleina precisar. Quando houver jogos seguidos, teremos um cuidado especial na recuperação.

Ele vai conseguir jogar todos os jogos? Vai fazer trabalho diferente?
Neste princípio, como são jogos com semana cheia, ele está à disposição do Kleina. Na sequência vamos ver como a carga de trabalho, porque tem recuperação um pouco mais lenta, tem uma atenção maior. Vamos conversar para ver o que é melhor para ele em decisão tomada por todos os departamentos: fisioterapia, físico e técnico. Ele sempre trabalha com menos carga que os demais, algo controlado, temos um trabalho específico.

Palmeiras goleia o Oeste com ajuda de Valdivia

Gilson Kleina prometeu que o Palmeiras que voltaria após a parada para a Copa das Confederações seria bem diferente daquele dos seis primeiros jogos. E a partida contra o Oeste, no sábado, mostrou que ele estava correto.

Não só pela goleada por 4 a 0, algo que o Verdão não conseguia há mais de um ano. Mas os números indicam que a equipe teve uma melhora considerável em alguns aspectos, sobretudo nos passes e finalizações certas. Se antes a média era de 300 toques acertados por partida, no sábado foram 510. Já os chutes com direção praticamente dobraram: passaram de 6,7 por confronto para 12.

Isso se deve, sobretudo, à boa atuação do meio de campo, comandado por Valdivia. O chamado “último passe” era uma preocupação de Kleina antes e, com a evolução, o Verdão teve diversas chances de gols.

Apesar da goleada sobre o Oeste, a expectativa é de melhora ainda mais evidente nos próximos confrontos. Isso porque reforços como Eguren e Alan Kardec, contratados para serem titulares, irão estrear, e Mendieta será mais utilizado. Isso, na visão do auxiliar Juninho, que comandou o time no sábado, deixará o Palmeiras ainda mais efetivo.

– Com o Valdivia e Mendieta, vira um time técnico, que toca a bola. Temos de mesclar, ser um time que toca a bola e ter quem marca, porque sem isso não chega a lugar nenhum. Tem de ter os operários que vão construir para os que têm a habilidade chegar na frente e marcar os gols – falou.

O preparador Fabiano Xhá também projeta evolução na condição física do elenco para a temporada.

– Podemos dizer que estamos retornando com o grupo todo em torno de 90%. Conseguimos baixar a carga para os jogadores e, em seguida, aumentar o nível de força, tentando deixar o grupo mais homogêneo, deixando um jogador mais próximo um do outro – declarou ele, ao LANCE!.

A primeira impressão deixada após a parada foi ótima. Agora, a tendência é melhorar ainda mais. Aos poucos o Verdão vai se acertando.


Para estrear

Alan Kardec
Já começou a treinar com o elenco, mas como estava de férias precisará de duas semanas para estrear.

Eguren
Estava em atividade, mas ainda precisará de cerca de dez dias para resolver pendências burocráticas.

Felipe Menezes
Mais um que estava em férias e pediu cerca de duas semanas de treinos antes de fazer a estreia.


Confira uma entrevista com Fabiano Xhá, preparador físico do Palmeiras:

Qual foi o tamanho da evolução física do time nesta parada?
Essa parada foi muito boa para nós, porque tivemos uma pré-temporada curta, com sequência de jogos um em cima do outro. Conseguimos voltar com o grupo recuperado e com a parte muscular dentro do que esperávamos para o início da competição. Foi importante.

Como fazer para manter esse bom nível até o fim do ano?
Entre os próximos três jogos teremos semanas cheias de treinamentos, com um ou dois trabalhos mais fortes durante a semana, e depois baixando a carga até o dia do jogo. Com jogos na terça e na sexta, fazemos apenas uma manutenção para os atletas aguentarem o maior nível possível de partidas, com grande intensidade durante o maior tempo do confronto.

O Valdivia se encaixa nesse nível físico do restante do elenco?
Ele está chegando ao patamar dos outros atletas. A única coisa mesmo é que ele está sem ritmo de jogo e isso ele só ganha jogando. Aos poucos ele vai entrando nos jogos, sendo utilizado dentro daquilo que o Kleina precisar. Quando houver jogos seguidos, teremos um cuidado especial na recuperação.

Ele vai conseguir jogar todos os jogos? Vai fazer trabalho diferente?
Neste princípio, como são jogos com semana cheia, ele está à disposição do Kleina. Na sequência vamos ver como a carga de trabalho, porque tem recuperação um pouco mais lenta, tem uma atenção maior. Vamos conversar para ver o que é melhor para ele em decisão tomada por todos os departamentos: fisioterapia, físico e técnico. Ele sempre trabalha com menos carga que os demais, algo controlado, temos um trabalho específico.

Palmeiras goleia o Oeste com ajuda de Valdivia