icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
23/07/2014
00:31

Kleber Leite, ex-presidente do Flamengo e aliado do vice-presidente de marketing, Luiz Eduardo Baptista, escreveu nesta terça-feira um texto, publicado no site oficial do ex-dirigente, criticando a atuação da atual diretoria rubro-negra em relação ao departamento de futebol. Kleber Leite comentou sobre a indicação do grupo político de Marcio Braga para que ele assumisse a pasta do futebol, pedido este rejeitado pelos atuais mandatários da Gávea.

No texto, Kleber Leite ainda relembrou um momento de 2005, quando os matemáticos afirmavam que o Flamengo tinha 93% de chances de sofrer o rebaixamento no Campeonato Brasileiro, restando apenas nove jogos, o que depois de trabalho interno foi resolvido e o Rubro-Negro acabou permanecendo na primeira divisão. Kleber Leite ainda ressaltou que o momento é de mudanças e chegou a condenar a forma em que o caso André Santos foi tratado.

      
Assef deixa vice de relações externas após duas semanas no cargo
      
Diretor do Grêmio, sobre Elano: 'Fla tem obrigações contratuais com ele'
      
Bandeira desmente lateral e diz que contrato com ele 'será cumprido'
      
Fla segue atento ao mercado da Ucrânia, mas admite dificuldades


> Confira abaixo a íntegra do texto de Kleber Leite:

"Os meus companheiros de longas jornadas rubro-negras, Marcio Braga e Hélio Ferraz, por entenderem que há um enorme risco do Flamengo cair para a segunda divisão, me informaram que iriam procurar o Presidente Eduardo Bandeira de Mello, sugerindo profundas modificações no departamento de futebol e, que iriam sugerir meu nome para assumir o cargo de vice-presidente de futebol. Perguntaram se eu toparia ajudar e, respondi que, mesmo recém operado da coluna, se todos entendessem que eu poderia contribuir para evitar esta catástrofe que, claro lá estaria. De fato, Marcio e Hélio propuseram ao presidente as modificações no departamento de futebol e, hoje, por volta do meio dia, foram comunicados pelo presidente Eduardo que o futebol continuaria como está. E, isto é preocupante…

Em 2005, quando os matemáticos de plantão afirmavam que o Flamengo tinha 93%de chances de cair para a segunda divisão, faltavam 9 jogos e, as inscrições estavam encerradas. Não era possível reforçar o time. Foram nove jogos. Seis vitórias e três empates. Campanha de campão brasileiro.

Aprendi nesta passagem de vida que, há momentos em que a única solução é mudar. O time que não andava, começou a voar. Os jogadores que eram ridicularizados, viraram príncipes, como foi o caso do zagueiro Fernando. Auto estima e auto confiança, entraram em campo à cada partida. Muito papo… Claro que, algumas medidas tomadas, algumas até simples, como trocar um hotel em Copacabana, que servia de concentração para os jogos e, era um pardieiro, pelo Hotel Windsor, que inauguramos, deu dignidade ao elenco. O Flamengo estava agora concentrado num hotel do tamanho das tradições do clube. Os jogadores sentiram e adoraram a mudança. De resto, a boa vontade demonstrada em acertar a parte financeira com os jogadores ganhou a confiança e a cumplicidade deles. E no futebol, cumplicidade, é quase tudo. Joel Santana, foi um tiro na mosca. Tudo que precisávamos no momento era alguém que juntasse os cacos, vendesse otimismo e não errasse nada, escalando e substituindo. Joel foi perfeito e, se superou, quando em Volta redonda, quando perdíamos para o Botafogo por 1 X 0 no primeiro tempo, tivemos um jogador expulso ( Rodrigo Arroz) e, na volta ao vestiário, no intervalo, Joel partiu para dentro de dois jogadores que começavam a sair na porrada e, enquadrou os dois. Sacudiu o time, fez uma alteração ousada, mesmo com 10 jogadores e, no final, Flamengo 3 X 1, com show de Diego Souza que, quando la chegamos, era reserva. O melhor foi depois do jogo. Voltando para o Rio, ouvimos pelo rádio, meu amigo Carlos Augusto Montenegro invadir o vestiário do Botafogo e acusar os seus jogadores de terem se vendido para o Flamengo. Este ato, provocou a saída de Caio, hoje brilhante comentarista da Globo, do Botafogo. A viagem de volta foi maravilhosa. Rimos muito. Ganhar, é muito bom.

Enfim, saímos daquela, porque o sapo virou príncipe. A mágica, foi a afinidade, fruto de todos pegarem no breu, da confiança, do carinho, e, de estarmos todos juntos, em qualquer situação, sempre! Hélio Ferraz, Michel Assef, Plínio Serpa Pinto, Cheirinho, Marcos Braz, Isaias Tinoco e, Eduardo Manhães, foram os meus companheiros nesta jornada que não se levantou nenhum caneco, mas teve o sabor de título conquistado. À eles, a minha homenagem e, eterna gratidão. Participei de muitas conquistas. Quatro estaduais, Copa de Ouro, Copa dos Campeões Mundiais, Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro e, outras competições menos votadas. A única camisa, toda autografada, que tenho na parede de casa, é a deste título, sem caneco e, sem volta olímpica.

Outro dia escrevi uma mensagem para o meu amigo BAP, o grande talento desta diretoria do Flamengo que, o pessoal do futebol estava se equivocando com relação ao objetivo. As contratações demonstram isso. A sensação que se tem, é que internamente não bateu ainda a realidade, que é uma só: o perigo de cair para a segunda divisão. Como a nossa doença é grave, os remédios têm que fazer ação imediata, como por exemplo, o Vasco contratando Kleber, o Fluminense contratando Cícero, o Grêmio contratando Giuliano e, por aí vai. Contratou hoje, e o jogador em campo na próxima rodada. Jogadores de fácil adaptação e, sem problemas burocráticos à resolver. Parece que o Flamengo está contratando para a Copa do Brasil… Hoje, leio que mandaram embora o André Santos. Fizeram muito mal. Pela necessidade, em função do elenco e de resultados imediatos, precipitado e pouco inteligente. André santos, foi jogador à minha época. Como homem e profissional, foi impecável. Será que mudou tanto assim ou, o ambiente é outro?

Lembrete: Os matemáticos informam: Para não cair, o Flamengo precisa somar 50% dos pontos disputados. Todo cuidado é pouco!!!

Além da preocupação com o já comentado problema prioritário e imediato, também é bom não esquecer que mais duas frentes precisam ser trabalhadas. Agosto está chegando e, quem não começar a montar o seu elenco agora, visando 2015, vai sofrer. A outra frente, é começar a se montar uma estratégia visando a Copa do Brasil, quando no mata/mata, o Flamengo entra nas oitavas de final. Estes oito jogos podem salvar o ano.

Por hoje, é isso aí.

Uma linda quarta-feira para todos."