icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
27/07/2013
12:12

O presidente Gilvan de Pinho Tavares, do Cruzeiro, se mostrou indignado mais uma vez com a Minas Arena, pelas condições impostas para o Atlético-MG jogar a final da Libertadores no Mineirão. Além disso, disse que o Governo de Minas solicitou a data da partida, já que tem direito a quatro datas. Mas Alexandre Kalil desmentiu essa última informação, atacando a Secopa.

- A respeito do Mineirão: o Atlético obedeceu o edital. O resto é conversa fiada. A nota da SECOPA é uma mentira. Não tenho data do governo - afirmou o presidente, pelo seu twitter oficial.

A Secopa confirmou as informações do mandatário da Raposa e divulgou uma nota oficial publicada pelo site 'Superesportes':

- O Estado entendeu, assim, ser pertinente que uma das datas a que tem direito, por força do Contrato de Concessão Administrativa, fosse a ela dedicada, com base na cláusula 16 deste contrato. Conforme já comunicado a Minas Arena, esse mesmo princípio será observado pelo Governo sempre que clubes mineiros alcançarem decisões desta magnitude e natureza - diz parte da nota.

O presidente Gilvan de Pinho Tavares, do Cruzeiro, se mostrou indignado mais uma vez com a Minas Arena, pelas condições impostas para o Atlético-MG jogar a final da Libertadores no Mineirão. Além disso, disse que o Governo de Minas solicitou a data da partida, já que tem direito a quatro datas. Mas Alexandre Kalil desmentiu essa última informação, atacando a Secopa.

- A respeito do Mineirão: o Atlético obedeceu o edital. O resto é conversa fiada. A nota da SECOPA é uma mentira. Não tenho data do governo - afirmou o presidente, pelo seu twitter oficial.

A Secopa confirmou as informações do mandatário da Raposa e divulgou uma nota oficial publicada pelo site 'Superesportes':

- O Estado entendeu, assim, ser pertinente que uma das datas a que tem direito, por força do Contrato de Concessão Administrativa, fosse a ela dedicada, com base na cláusula 16 deste contrato. Conforme já comunicado a Minas Arena, esse mesmo princípio será observado pelo Governo sempre que clubes mineiros alcançarem decisões desta magnitude e natureza - diz parte da nota.