icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
11/07/2013
17:31

O presidente Juvenal Juvêncio, o diretor de futebol Adalberto Baptista e o vice-presidente de futebol João Paulo de Jesus Lopes apresentaram, nesta quinta-feira, no CT da Barra Funda, o técnico Paulo Autuori, que assume o São Paulo após a demissão de Ney Franco. Mesmo com apenas um título nos últimos quatro anos, a saída de treinadores no período e algumas turbulências no clube, Juvenal exime a diretoria de culpa por conta dos fracassos.

- Por que seria administrativo? Por quê? Tem gente que gostaria de dar essa conotação. Time que está mal porque a diretoria está mal. Qual é o mal que nós praticamos? Nós temos aqui um homem que é vice-presidente da alta gestão governamental, temos outro ali da alta indústria, eu mais modesto. Vou liberar os senhores para perguntar a qualquer jogador se há descontentamento com a diretoria. Se o presidente é igual com todos, do Rogério Ceni ao anônimo. Se o presidente pune quando tem que punir, e pune! - declarou.

- Se eles chamam o presidente para fazer palestra quando a coisa não está boa, se eles clamam pela presença do presidente na Barra Funda. Se a presidência faz com que seus salários sejam pagos no dia. Se os bichos são pagos no vestiário. Se eles ficam nos melhores hotéis. Se eu transbordo em 97% é por via aérea. Os seus campos de treinamento, equipe técnica, fisiologia do esporte, Reffis, hotel de Cotia... onde é que estaria a gerência negativa da administração? - acrescentou o presidente, durante entrevista coletiva.

Na última temporada, o time faturou a Copa Sul-Americana. No entanto, o clube colecionou insucessos nos campeonatos que disputou nos últimos anos, e as trocas de técnicos foram reflexos disso. Desde a saída de Muricy Ramalho, em 2009, o time foi comandado por outros seis treinadores: Ricardo Gomes, Sérgio Baresi, Paulo César Carpegiani, Adilson Batista, Leão e Ney Franco.

O presidente Juvenal Juvêncio afirmou que houve uma reformulação no elenco tricolor e que, por conta do potencial da equipe e em decorrência dos maus resultados, ele tinha de mudar o treinador.

- Tenho grande respeito pelo Ney, como cidadão, mas aqui não tem nenhuma caça às bruxas. Mas tinha que mudar o técnico. Porque eu disse aos atletas aqui no nosso auditório, que eu entendo que o plantel tem mais competência do que esta produzindo em campo. Essa é a posição do gestor. Se ele tem consciência de que o plantel produz menos do que ele é competente, é porque algo está errado e, nesse caso, é o técnico - disse o dirigente. 

- O próprio Ceni falava ontem na reza. "Poxa, gente. Estou com vergonha, estou com vergonha, vamos lá, vamos lá". Achei importante, no tempo presente agora, mas a necessidade da troca do técnico, até porque acredito que a competência dessa equipe é maior do que ela está produzindo hoje.

L!TV separa grandes momentos da entrevista de Juvenal Juvêncio

VEJA IMAGENS DA PRIMEIRA PASSAGEM DE AUTUORI PELO SÃO PAULO

Fotos: Arquivo LANCE!

O presidente Juvenal Juvêncio, o diretor de futebol Adalberto Baptista e o vice-presidente de futebol João Paulo de Jesus Lopes apresentaram, nesta quinta-feira, no CT da Barra Funda, o técnico Paulo Autuori, que assume o São Paulo após a demissão de Ney Franco. Mesmo com apenas um título nos últimos quatro anos, a saída de treinadores no período e algumas turbulências no clube, Juvenal exime a diretoria de culpa por conta dos fracassos.

- Por que seria administrativo? Por quê? Tem gente que gostaria de dar essa conotação. Time que está mal porque a diretoria está mal. Qual é o mal que nós praticamos? Nós temos aqui um homem que é vice-presidente da alta gestão governamental, temos outro ali da alta indústria, eu mais modesto. Vou liberar os senhores para perguntar a qualquer jogador se há descontentamento com a diretoria. Se o presidente é igual com todos, do Rogério Ceni ao anônimo. Se o presidente pune quando tem que punir, e pune! - declarou.

- Se eles chamam o presidente para fazer palestra quando a coisa não está boa, se eles clamam pela presença do presidente na Barra Funda. Se a presidência faz com que seus salários sejam pagos no dia. Se os bichos são pagos no vestiário. Se eles ficam nos melhores hotéis. Se eu transbordo em 97% é por via aérea. Os seus campos de treinamento, equipe técnica, fisiologia do esporte, Reffis, hotel de Cotia... onde é que estaria a gerência negativa da administração? - acrescentou o presidente, durante entrevista coletiva.

Na última temporada, o time faturou a Copa Sul-Americana. No entanto, o clube colecionou insucessos nos campeonatos que disputou nos últimos anos, e as trocas de técnicos foram reflexos disso. Desde a saída de Muricy Ramalho, em 2009, o time foi comandado por outros seis treinadores: Ricardo Gomes, Sérgio Baresi, Paulo César Carpegiani, Adilson Batista, Leão e Ney Franco.

O presidente Juvenal Juvêncio afirmou que houve uma reformulação no elenco tricolor e que, por conta do potencial da equipe e em decorrência dos maus resultados, ele tinha de mudar o treinador.

- Tenho grande respeito pelo Ney, como cidadão, mas aqui não tem nenhuma caça às bruxas. Mas tinha que mudar o técnico. Porque eu disse aos atletas aqui no nosso auditório, que eu entendo que o plantel tem mais competência do que esta produzindo em campo. Essa é a posição do gestor. Se ele tem consciência de que o plantel produz menos do que ele é competente, é porque algo está errado e, nesse caso, é o técnico - disse o dirigente. 

- O próprio Ceni falava ontem na reza. "Poxa, gente. Estou com vergonha, estou com vergonha, vamos lá, vamos lá". Achei importante, no tempo presente agora, mas a necessidade da troca do técnico, até porque acredito que a competência dessa equipe é maior do que ela está produzindo hoje.

L!TV separa grandes momentos da entrevista de Juvenal Juvêncio

VEJA IMAGENS DA PRIMEIRA PASSAGEM DE AUTUORI PELO SÃO PAULO

Fotos: Arquivo LANCE!