icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
01/04/2014
18:15

Usado como trunfo de Carlos Miguel Aidar para provar sua relação com a Confederação Brasileira de Futebol, o amistoso da Seleção Brasileira com a Sérvia no Morumbi pode não ter sido uma conquista do candidato da situação à presidência do São Paulo. Segundo Juvenal Juvêncio, o confronto foi levado ao estádio tricolor pela própria amizade com José Maria Marin.

- Vou dizer um fato que eu não falaria... Quem contou essa história que ia ter o jogo do Brasil no Morumbi para o Carlos Miguel fui eu. Teve um dia, me ligou o Marco Polo (Del Nero, presidente da Federação Paulista de Futebol): "Alô, presidente?! Marin está do meu lado, você tá bão?", e passou para o Marin. Ele começou: "Você não merece, mas vou fazer um jogo aí em sua homenagem. Toma cuidado, mas vou fazer um jogo aí em sua homenagem". Ele quis fazer o jogo no Morumbi em homenagem a Juvenal Juvêncio - afirmou Juvenal ao UOL Esporte.

A declaração coloca em xeque a versão apresentada por Aidar no dia 17 de fevereiro deste ano. Na ocasião, o líder da situação são-paulina falou em entrevista à Rádio Bandeirantes que se mexeu nos bastidores para trazer o jogo do dia 6 de junho para o Morumbi. O candidato ainda disse que via a partida da Seleção na casa tricolor como a abertura da Copa do Mundo, que será realizada na Arena Corinthians no dia 12, em duelo do Brasil com a Croácia.

- Fiz isso mesmo, ajudei diretamente para que esse jogo viesse para o Morumbi. É bom para o torcedor são-paulino saber disso. É praticamente a abertura da Copa do Mundo no Morumbi - declarou Aidar em fevereiro.